Transporte sustentável é tema de palestra no Nupem

0
434
Palestra acontecerá nesta quinta (30), às 11h, no auditório do Nupem/UFRJ

Apresentação, aberta à comunidade, será ministrada pelo Professor Dr. Paulo Miranda

Em tempos onde se buscam alternativas para reduzir a emissão de gases poluentes, principalmente no que se refere a mobilidade urbana, a tecnologia pode ser uma grande aliada do meio ambiente.

E para quem tem interesse no assunto, nesta quinta-feira (30), o professor Dr. Paulo Miranda (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro – Coppe/UFRJ) estará em Macaé para apresentar a sua palestra: “Tecnologia Brasileira para Transporte Sustentável baseada em Hidrogênio e Eletricidade”.

A apresentação será às 11h, no auditório do Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento Ambiental de Macaé da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Nupem/UFRJ). O Campus fica situado na Avenida São José Barreto, nº 764, no bairro São José do Barreto (atrás do Centro de Convenções Jornalista Roberto Marinho).

Segundo a instituição, a palestra será aberta a todos os interessados, não apenas aos estudantes. Vale ressaltar que ela é gratuita e não necessita de inscrição prévia.
Dr. Paulo Miranda é pós-doutor em Engenharia Metalúrgica e de Materiais na École Centrale de Paris e na Université de Paris-Sud, na França, chefe do Laboratório de Hidrogênio (LabH2/Coppe/UFRJ), presidente da Associação Brasileira de Hidrogênio (ABH2), membro do comitê de diretores da International Association of Hydrogen Energy (IAHE) e presidente do comitê organizador da 22ª World Hydrogen Energy Conference 2018 (WHEC) .

O professor é responsável pelo desenvolvimento do Ônibus Elétrico Híbrido, movido a Hidrogênio da Coppe, que está em sua terceira geração. “O hidrogênio é o combustível de maior potencial energético e a tendência é que ele passe a ser utilizado plenamente pela sociedade nos próximos 60 anos, substituindo parcial e gradativamente os derivados de petróleo, para os quais 53,1% da produção nacional são usadas no abastecimento do transporte”, enfatizou.