O canto das cigarras

956

CIGARRAS DE MACAÉ – Neste 26 de maio, apresentamos texto de nosso querido poeta Oscar Batista Lima, membro do Coro das Cigarras de Macaé, de seu livro Sombras do Passado- Poesias:

O Canto das Cigarras

Oscar Batista Lima

Por que será
Que as cigarras cantam
Quando a luz do sol
No poente inicia dissipar?
Será de alegria ou de tristeza
Em ver que o esplendor do dia
Começa a se apagar
Utópica nostalgia
Matizes sem igual.
No canto estéril, estridente
Misturam-se ecos ininteligíveis.
Ouça a rude orquestra…
Os pirilampos surgindo espaço sideral.
Pouco a pouco
A sintonia vai morrendo.
Sinto a vida
Fugir daquele canto,
Canto que deixa atrás de si
Um mistério encantador
E a vida fica
E a cigarra volta
Com seu canto
Alegre e triste.

cigarrasmacae@gmail.com