Ferrovia Rio-Vitória aumentará competitividade fluminense

931
A malha ferroviária de Macaé seria contemplada por este projeto

O projeto consta no Mapa do Desenvolvimento 2016-2025 do Sistema FIRJAN

A construção da ferrovia Rio-Vitória (EF-118), incluída esta semana pelo governo federal no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), é antigo pleito do Sistema FIRJAN. A estrada de ferro tem alto potencial econômico para o estado do Rio, pois reduzirá custos com o transporte de cargas, aumentando a competitividade fluminense. O projeto consta no Mapa do Desenvolvimento 2016-2025 da Federação.

“Este projeto é prioritário para nós. A melhoria da infraestrutura ferroviária do estado do Rio, principalmente na ligação com os portos fluminenses, já era prioridade do Mapa do Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro – 2006-2015. A construção da EF-118 irá dinamizar a logística e a economia do estado, interligando os sistemas portuários do Rio e do Espírito Santo e reduzindo o custo de movimentação de cargas no estado”, explica Isaque Ouverney, analista de Estudos Econômicos da FIRJAN. Segundo Ouverney, a linha passará pelas regiões Metropolitana, Leste e Norte Fluminense, melhorando a ligação com toda a região Sudeste.

Entre as ações da Federação em defesa da obra está a colaboração do Sistema FIRJAN na construção do Plano Estratégico de Logística e Cargas (PELC-RJ), que elegeu o projeto como fundamental para a melhoria da logística no estado. Além disso, a Federação participou de um convênio, firmado em 2017, em prol da priorização do projeto pelo Governo Federal, com participação de diversas instituições, como o Porto do Açu e os governos dos dois estados. Este ano, a FIRJAN também atuou para incluir o projeto no horizonte de curto prazo do Plano Nacional de Logística, que está em processo final de elaboração pela União.

A intenção da União é que a concessionária responsável pela Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) arque com a construção da nova linha, em troca da prorrogação de seu contrato de concessão. Quando estiver pronta, a EF-118 será entregue ao governo para ser licitada.

“O ponto principal agora é acompanhar os próximos passos para a viabilização do projeto”, complementa Ouverney.

1 COMENTÁRIO

  1. Bacana mas serve para transportar quais tipos de cargas? Realmente o que Macaé precisa é de um porto para ter pelo menos algum futuro. A decadência de Macaé se aproxima a passos largos e ninguém faz nada para reverter a situação. Já passaram quatro anos do início da derrocada mais dez anos e Macaé terá o futuro igual a década de 70. Sendo um local que depende da indústria petrolífera, em dez anos grande parte dos campos de produção não estarão maduros mas caindo de maduro, isto é podre ou melhor em processo de desmobilização.

Comments are closed.