A 6ª edição do Anuário do Petróleo no Rio 2021 prevê também a abertura de mais de 63 mil empregos no mercado no período. Documento da federação será lançado nesta terça-feira (24/8)

O Rio de Janeiro vem ampliando sua predominância frente aos demais estados no que tange a produção de óleo. Se entre 2014 e 2017 sua participação na produção nacional foi inferior a 70%, em 2020 ela foi de 79% e nos primeiros seis meses de 2021, já alcançou 80%. Com isso, o maior polo produtor de petróleo e gás tem mapeados R$ 50 bilhões em investimentos entre 2021 e 2023 em Exploração & Produção (E&P) e Abastecimento. Os dados são do “Anuário do Petróleo no Rio 2021”, publicado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

Em sua 6ª edição, o estudo da federação fluminense estima mais de 63 mil empregos no mercado de óleo e gás no período. O documento será lançado nesta terça-feira (24/8) em evento on-line com a participação do presidente da entidade, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira; do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque; do secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do MME, José Mauro Ferreira Coelho; da diretora da ANP, Symone Araújo; da diretora da EPE, Heloisa Borges; do diretor executivo da Petrobras, Roberto Furian Ardenghy; e do presidente do IBP, Eberaldo de Almeida Neto. A transmissão será por meio do Youtube da federação no link: https://youtu.be/Ylb85lMY7as

O documento destaca ainda que as exportações brasileiras de petróleo podem alcançar um volume médio de 3,4 milhões bpd, posicionando o Brasil entre os cinco maiores exportadores de óleo até 2030. E, como líder do mercado nacional, o Rio de Janeiro poderá liderar a integração do petróleo com outras energias, promovendo a sustentabilidade do desenvolvimento por meio da integração energética.

“No mundo, exemplos mostram que é a partir do petróleo que se dará o desenvolvimento de novas energias: recuperação de campos maduros com energia produzida a partir de eólicas offshore”, destaca o presidente da Firjan, Eduardo Eugenio.

Em um dos artigos do Anuário, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) destaca a integração energética das fontes na matriz brasileira e o papel do petróleo. Já a Petrobras, que também contribuiu com a análise, avalia construir uma planta de produção de lubrificantes no polo GasLub, a partir de interligações já existentes de algumas unidades com a Refinaria de Duque de Caxias (Reduc). Também estuda a construção, em parceria com outros investidores, de uma termoelétrica para geração de energia usando o gás a partir da UPGN, antigo Comperj.

Gerente de Petróleo, Gás e Naval da Firjan, Karine Fragoso defende que o gás natural deve ser utilizado não apenas como combustível de geração de energia elétrica, “mas também como insumo para a indústria de transformação, como os setores de fertilização, petroquímica e vidro, entre outros”.

Reflexos socioeconômicos para o Rio de Janeiro

Conforme previsão da ANP, este ano ocorrerem dois leilões de petróleo: a 17ª rodada de concessões e a 2ª oferta dos excedentes da cessão onerosa, ambas em áreas nas bacias de Campos e de Santos, confrontantes ao estado fluminense. Para 2022, estima-se outros dois leilões.

No primeiro semestre de 2021, como principal produtor nacional, o Rio de Janeiro apresentou crescimento na arrecadação em royalties com valores médios mensais 37%, maiores que os valores do ano passado. O montante total já chega a 72,57% do arrecadado em 2019. O mesmo também acontece para as participações especiais com relação aos valores pagos em 2021. O estado do Rio recebeu mais de 32% do valor total das participações especiais do país, além da média trimestral aumentar 32% do ano passado para o primeiro trimestre de 2021.

“Esses recursos são fundamentais para a retomada da economia fluminense, assim como ajudam na recuperação da indústria naval fluminense, já que os novos leilões permitem a entrada de novas operadoras atuando no estado”, destaca a moderadora do evento on-line. Karine lembra que o lançamento do Anuário também terá uma edição na quarta-feira (25/8) com a participação dos deputados federais Paulo Ganime e Christino Áureo; do deputado estadual Luiz Paulo; do secretário estadual de Desenvolvimento Econômico da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais do Rio, Vinícius Farah, e do presidente do Conselho de P&G da Firjan e Brazil Country Director da SBM Offshore, Bruno Freitas.

O Anuário do Petróleo no Rio 2021 estará disponível nesta terça-feira no endereço

https://www.firjan.com.br/publicacoes/publicacoes-de-economia/anuario-petroleo-e-gas.htm

Já o dashboard dinâmico, com os dados atualizados do mercado de petróleo no país e no estado, poderá ser acessado também a partir de 24/8 no link

https://www.firjan.com.br/firjan/empresas/competitividade-empresarial/petroleoegas/dados-do-rio/