Parte dos empresários representantes das instituições unidos em prol da construção do Porto em Macaé

Tepor é um dos principais responsáveis pela retomada da economia macaense. Empreendimento deve gerar cerca de 10 mil empregos

No próximo dia 07, às 19h, acontecerá a Audiência Pública para apresentação do projeto do Terminal Portuário de Macaé (Tepor), no Centro de Convenções Jornalista Roberto Marinho, no bairro São José do Barreto. E, buscando apoiadores favoráveis à construção do empreendimento, a Associação Comercial e Industrial de Macaé (ACIM), juntamente com as instituições que formam o Repensar Macaé, a partir desta terça-feira (30), vai iniciar um abaixo-assinado a favor do Tepor na cidade.

O objetivo do documento é reforçar o movimento ‘Somos Porto’, lançado no último dia 22, que apoia o projeto, visto que cumpriu todas as exigências estabelecidas na Instrução Técnica do INEA – Instituto Estadual do Ambiente para sua instalação e irá gerar cerca de 10 mil empregos, contribuindo para a retomada da economia macaense.

“Estamos às vésperas de uma decisão importante para o futuro da nossa cidade, e precisamos estar unidos em prol do desenvolvimento, é uma obra que pode gerar muitas contrapartidas em benefício do crescimento econômico e social de Macaé”, ressalta Antonio Severino dos Santos, presidente da ACIM.

As assinaturas serão recolhidas no Calçadão, em frente ao prédio da ACIM e serão entregues no dia da Audiência Pública.

O Repensar Macaé foi apresentado no final de março deste ano e é organizado pela união das instituições: Associação Comercial e Industrial de Macaé (ACIM), Conselho Municipal da FIRJAN, Macaé Convention & Visitors Bureau, RedePetro-BC, International Association of Driling Contractors (IADC), SEBRAE, Associação Macaense de Contabilistas (Amacon) e Society of Petroleum Engineers (SPE).

1 COMENTÁRIO

  1. O terminal é prioridade para Macaé mas tem que priorizar fases do projeto. Entendo que a primeira fase é o terminal de atendimento a serviços Offshore. Esta fase fixará as firmas atuais em Macaé e atrairá outras que possam ter ou não sinergia coma firmas ora instaladas em Macaé. Somente isto não adianta. A RJS-168 precisa passar por melhorias. Sem não der para duplicar , pelo menos fazer do acostamento uma pista de rodagem. Assim como duplicação da RJS-106 entre Macaé e Rio das Ostras. Estas melhorias não podem impactar a primeira fase do terminal.

Comments are closed.