Gilson Coelho, secretário executivo da Associação Brasileira das Empresas de Serviços do Petróleo (Abespetro) - Wanderley Gil

Três das maiores operadoras de óleo e gás no mundo fixam atividades no município para desenvolver novos projetos

Se as últimas quatro décadas foram dominadas pela ascensão da Petrobras a um dos principais postos no mercado global de geração de energia, a chegada à Macaé da ExxonMobile e da Shell configuram o novo ciclo de prosperidade para a cidade, que será consolidado através da décima e histórica edição da Brasil Offshore.

Com a expertise adquirida ao longo da evolução das atividades de exploração e produção na Bacia de Campos, Macaé se torna hoje o ponto de partida para um novo ciclo de operações que, em longo prazo, irão potencializar a oferta de óleo e gás brasileiro no mercado internacional, atingindo um ápice não previsto para qualquer outra nação petrolífera do mundo.

Juntas, a Petrobras, a Exxon e a Shell foram protagonistas em todos os leilões realizados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) no ano passado. Do pré-sal ao pós-sal, as três maiores companhias de energia do mundo arremataram ativos na Bacia de Campos com potencial de injetar mais de US$ 10 bilhões nos principais campos. A partir da “agenda do petróleo”, discutida entre a indústria e o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB), se estabeleceu no país regras mais sólidas de contratos, um cronograma aberto de leilões de áreas e a definição dos privilégios da Petrobras em relação ao potencial geológico brasileiro, de uma forma que estimulasse também o interesse das demais operadoras globais de assumir áreas tão produtivas quanto as reservadas no idealismo do “monopólio”.

“A competitividade abre o mercado brasileiro para investimentos além da Petrobras. E isso desencadeia uma série de negócios que movimentam, desde a exploração e produção, até o processamento e o refino. Esse é apenas o início de uma verdadeira transformação que a atividade do petróleo vive no país”, avalia o secretário executivo da Associação Brasileira das Empresas de Serviços do Petróleo (Abespetro), Gilson Coelho.

Fruto da competitividade, e da reação positiva da prosperidade do petróleo, outro campo ligado a operação offshore passa a ganhar força em Macaé, o de energia através do gás, que certamente será o pontapé inicial para o desenvolvimento de um novo viés econômico local: a indústria petroquímica.

“Hoje, o mercado internacional tem uma visão importante sobre Macaé. E não apenas no aspecto do petróleo, mas também do gás. A cidade volta a ser uma vitrine para a restruturação do setor, algo não visto antes em sua história”, afirma Gilson Coelho.

E esta projeção será consolidada durante os quatro dias da Brasil Offshore 2019, o ambiente ideal para reunir a cadeia produtiva do petróleo local, junto a Petrobras, a Shell e a ExxonMobile, o tripé capaz de reconstruir a história de pujança de Macaé.

2 COMENTÁRIOS

  1. Macaé !! Ainda , CARECE DA CONSTRUÇÃO URGENTE DO NOVO PORTO PARA MACAÉ ( TERPOR) EM QUANTO A AMA BRASIL FIZER O EMBARGO A LIBERAÇÃO DAS LICENÇAS DE CONSTRUÇÃO DO PORTO !!! MACAÉ ESTÁ INSEGURA ENQUANTO AO SEU FUTURO COMO CAPITAL NACIONAL DO PETRÓLEO !!! MUITAS EMPRESAS ESTÃO DE PARTIDA DA CIDADE !!! E INDO PARA AS CIDADES EM TORNO DO SUPER PORTO DO AÇU !!! O TEMPO CORRE CONTRA A CIDADE DE MACAÉ !!! SE O PORTO NÃO SAIR DAQUI HÁ UNS 5 ANOS !!! NEM SERÁ PRECISO CONSTRUI- LO. MAIS !!!! COMO ACONTECEU COM O FAMOSO COMPERJ QUE FALIU EM SER UMA REFINARIA QUE ALAVANCARIA O DESENVOLVIMENTO DE SÃO GONÇALO , ITABORAÍ , RIO BONITO , SILVA JARDIM , ARARUAMA E CASEMIRO DE ABREU QUE VIROU UM FIASCO TOTAL !!! O POLO COMPERJ FOI ABANDONADO E IRÁ SE TRANSFORMAR EM UMA USINA TERMOELÉTRICA !!! QUE RESULTOU NUM FRACASSO PARA TODAS ESSAS CIDADES CIRCUNVIZINHAS !!! POR CAUSA DO FRACASSO E DA DEMORA !! A PETROBRÁS DESISTIU DO PROJETO !!!

Comments are closed.