Câmara reinicia amanhã trabalhos em plenário

305
Vereadores retornam amanhã às sessões ordinárias depois de 30 dias de recesso

Governo aguarda agilidade em tramitação do projeto Bolsa Escola

Após 30 dias de recesso das sessões em plenário, os 16 vereadores que compõem hoje as cadeiras do parlamento municipal reiniciam, amanhã (1º), as discussões sobre as proposições que visam atender demandas da sociedade.

E, por parte do governo, o início do segundo período, do segundo ano da atual mandato, representa a necessidade de agilidade na tramitação do projeto de lei que cria o “Bolsa Escola”, programa de transferência direta de renda que beneficiará 100 alunos da rede pública, que cursam do 6º ao 9º ano.

Nos bastidores da Casa, há a expectativa de que nesta quarta seja apreciado o pedido de urgência na tramitação da matéria, que poderá ser discutida e até aprovada dentro de 15 dias. Depois de alguma resistência dentro da própria base aliada do prefeito, a proposta que concederá bolsas de R$ 600 aos 100 alunos classificados em prova que será aplicada pela secretaria de Educação, deve ser aprovado até mesmo com o aval da oposição.

A resistência ao projeto tinha como base o possível benefício político e eleitoral ao vereador Guto Garcia (MDB), ex-secretário de Educação, que chegou a lançar pré-candidatura à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), mas acabou declinando do projeto devido a falta de apoio do partido, abandonado pelo próprio prefeito no mês passado.

Entre esses e outros contratempos, a Câmara retorna em um momento movimentado para a política local, em virtude das eleições gerais deste ano. Dos 16 parlamentares em plenário, três já confirmaram candidaturas à Alerj: Marcel Silvano (PT), Luiz Fernando (PTC) e Marvel Maillet (REDE). O projeto de Julinho do Aeroporto (MDB) ainda não foi confirmado.

Para a presidência da Casa, o momento será de muita cautela, mas de discursos políticos de maior ênfase.

“É comum que o processo eleitoral, qualquer que seja, crie um cenário mais acirrado em plenário, mas isso não vai prejudicar, em nada, a atuação do Legislativo dentro de suas obrigações com o povo”, disse Dr. Eduardo Cardoso (PPS), presidente da Casa.