Queda no número de acidentes envolvendo veículos pode estar atrelada ao reflexo da pandemia do novo coronavírus, pois a estatística de um ano para outro é tímida - Arquivo

De acordo com dados da concessionária que administra a rodovia, aponta que no primeiro semestre deste ano foram registrados 215 atendimentos e 6 mortes. Já no mesmo período do ano passado foram registrados 239 atendimentos e 10 óbitos

Ao longo dos últimos anos, parte dos 176 quilômetros que passaram por duplicação na BR-101, que já foi conhecida como ‘estrada da morte’, entre os trechos das cidades de Silva Jardim a Conceição de Macabu, apresentou redução no número de acidentes fatais e mortes no primeiro semestre de 2020, que para os especialistas já é um reflexo da duplicação.

Para os condutores, o redução de acidentes de trânsito deste ano em comparação ao ano passado, também se deve à pandemia do novo coronavírus, já que meses atrás barreiras sanitárias foram montadas em várias rodovias e nas entradas das cidades visando coibir entrada de turistas. Ou seja, se não fosse a pandemia o número poderia ser igual ou maior que o número de registro de acidentes e mortes do ano passado.

Na última semana, as colisões registradas na BR-101 entre os trechos de Casimiro de Abreu e Macaé chamaram atenção para a imprudência dos motoristas, resultando a morte de seis pessoas.

Na última segunda (7), um carro de passeio colidiu de frente com um caminhão, onde duas pessoas da mesma família morreram no local. O acidente foi registrado em Casimiro de Abreu e o congestionamento se formou no local por mais de dois quilômetros.

Ainda no mesmo dia, um engavetamento envolvendo uma carreta e dois veículos resultou na morte de quatro rapazes que tinham saído do Rio de Janeiro em direção a cidade de Campos dos Goytacazes. Neste mesmo acidente, outras duas pessoas ficaram feridas e foram encaminhadas para o Hospital Público de Macaé em estado grave.

Para a instrutora de trânsito, Gislane Cristina, a imprudência dos condutores é o principal fator que leva aos acidentes. “Uma ultrapassagem mal feita ou a falta de sinalização das ações do motorista e o excesso de velocidade podem ocasionar um grave acidente”, comentou a especialista.

Gislane comenta ainda que existem outros fatores que contribuem para colisões como, falha humana, manutenção do veículo e falta de respeito à sinalização.

De acordo com dados da concessionária que administra a BR-101, no primeiro semestre deste ano foram registrados 215 atendimentos e 6 mortes, enquanto no mesmo período do ano passado, foram registradas 239 ocorrências e 10 pessoas morreram. Ou seja, se compararmos com o mesmo número de acidentes deste ano e de 2019, houve uma redução de 10%, e quanto aos óbitos, a queda foi de 5%.

Entre os atendimentos realizados pelo Corpo de Bombeiros estão vítimas de colisões, atropelamentos, capotagens e quedas de veículos. Segundo a corporação, a queda no número de acidentes envolvendo veículos pode ser um reflexo da pandemia do novo coronavírus .

O trecho que vai do KM 215 ao KM 225, na altura de Casimiro de Abreu é considerado de alto risco de acidentes e exige ainda mais atenção dos motoristas e para ter uma viagem tranquila é preciso seguir algumas recomendações como, manutenção diária no veículo, não falar ao celular e respeitar a sinalização.

1 COMENTÁRIO

  1. A RODOVIA DA MORTE FOI TRANSFERIDA DO TRECHO DE CAMPOS RJ PARA O MUNICÍPIO DE MACAÉ RJ !!! , O TRECHO RIO DOURADO ( CASEMIRO DE ABREU RJ PASSANDO POR ROCHA LEÃO ( RIO DAS OSTRAS RJ ) ATÉ CHEGAR AO TREVO DOS QUARENTA NO MUNICÍPIO DE MACAÉ RJ !!! É O TRECHO COM MAIS ÍNDICES DE ACIDENTES E MORTES EM TODAS AS RODOVIAS BRASILEIRAS !!! . O PODER PÚBLICO DE MACAÉ E RIO DAS OSTRAS NÃO FAZEM ABSOLUTAMENTE NADA !!! , JUNTAMENTE COM O ESTADO DO RIO DE JANEIRO RJ !!!

Comments are closed.