Assaltos frequentes assustam moradores da Vila Badejo

0
988
Divulgação/ Polícia Civil Legenda: Caio Portilho Pereira, suspeito de agredir transexuais foi encaminhado para à 123ª DP de Macaé

O Instituto de Segurança Pública divulgou a diminuição de casos de assaltos a pedestres em todo o Estado

O furto aos transeuntes é uma das principais queixas dos moradores de Macaé, e entre os itens mais furtados estão os aparelhos de celular. “Na semana passada, minha filha foi uma das vítimas dos assaltos aqui no bairro, levaram o celular dela em plena luz do dia”, disse Cláudio da Silva, morador da Vila Badejo.

Relatos como o de Cláudio são bastante comuns entre os moradores da Vila Badejo, localizado próximo ao Parque Aeroporto, um dos bairros mais populosos da cidade. Considerado sempre como um local tranquilo de se viver, a falta de segurança tem mudado o status de lugar calmo do bairro.

Relatos de assaltos à luz do dia têm deixado os moradores inseguros, apesar da falta de infraestrutura relatada por moradores. O principal problema do bairro, hoje, é a falta de segurança, segundo os moradores.

“O principal problema do bairro é a falta de segurança; a rua do valão é uma das principais vias onde ocorrem os furtos. As pessoas vão pegar o ônibus, ficam no ponto e aparece alguém de bicicleta ou moto, principalmente, pedindo o celular, dinheiro e outros bens materiais”, explicou Cláudio.

Para os moradores, apesar dos assaltos estarem acontecendo principalmente na parte da manhã e da tarde, os que acontecem à noite são facilitados pela falta de iluminação que o bairro apresenta. A falta de poda de árvores é um dos agravantes para a escuridão do bairro. Eles solicitam que a Prefeitura realize a poda de árvores com mais frequência, principalmente na Rua Dr. Benedito Carlos Ferreira (rua paralela ao Canal Macaé-Campos), chamada de “rua do valão” pelos moradores.

“A iluminação aqui é precária, era preciso estar sempre realizando a poda de árvores para melhorar a iluminação, principalmente na Rua do Valão”, concluiu um morador que prefere não se identificar.

A falta de segurança não foi atribuída apenas ao pouco efetivo da Polícia Militar no bairro. Segundo um morador, ele acredita que a insegurança acontece por conta da falta de investimentos do Governo Estadual na Polícia Militar. “Para mim, o que falta é investimento do Estado na Polícia Militar, já que a falta de segurança no município, e até em outras cidades, é gerada por esse agravante. Culminando em baixo efetivo de homens para realizarem a segurança necessária nas cidades, deixando a população refém da violência”, falou Cláudio.

Apesar das reclamações dos macaenses ao aumento de casos de furtos na cidade, é importante ressaltar que o Instituto de Segurança Pública (ISP), divulgou que no primeiro semestre deste ano foram 462 roubos a transeuntes no estado, sendo 1.571 roubos a menos do que no mesmo período do ano passado.