Ano das promessas

260

Milagres sempre serão atribuídos a agentes públicos que utilizam do processo eleitoral, em curso nas esferas estadual e federal, para reconquistar o interesse do eleitorado. Mesmo com a visão distorcida sobre o que é verdadeiramente democracia, esse interesse pode gerar efeitos positivos para Macaé.

Em meio ao novo planejamento de desenvolvimento do mercado do petróleo nacional, a cidade passa a contar com a previsão de projetos que, na prática, possuem potencial de elevar as operações de suporte às atividades que ocorrem na Bacia de Campos. É uma pena que a política pode barrar esse novo progresso.

Da expansão do Aeroporto à construção de uma ferrovia Rio-Vitória, todos esses projetos focados no fortalecimento da logística offshore são retirados das gavetas, toda vez em que se projetam campanhas políticas focadas na reeleição.

Se por três anos os agentes públicos tentam sustentar alianças longe do interesse republicano, em época de eleição, a busca por solucionar problemas é o ponto central da estratégia de se manter vivo, mediante o caos em que se encontra a política nacional.

Apesar de todas as barreiras ainda impostas pela falta da verdadeira representatividade do município nas esferas estadual e federal, Macaé ainda possui um aliado forte na construção de um novo futuro de prosperidade: a iniciativa privada.

E é dela que surgem projetos reais, que se concretizam através de uma visão de futuro, que podem sim devolver à cidade os aspectos que transformaram Macaé em referência mundial nas complexas operações do petróleo.

Muito longe das discussões políticas, o setor privado identifica as potencialidades do município, planeja ações que possam devolver à sociedade toda a pujança ainda carregada pelo petróleo e ainda cria oportunidades para solucionar o principal impasse gerado pela crise: a falta de oportunidades de trabalho.

Que nesse período em que Macaé passa a ser ocupada por forasteiros eleitorais, a sociedade consiga compreender quem, de fato, é capaz de sustentar um novo futuro de progresso para o município, que ainda vai viver dias melhores. Se Deus quiser!