Garrincha, a alegria do povo

566

CIGARRAS DE MACAÉ – Neste 28 de abril apresentaremos poesia de nosso querido amigo Ricardo Meirelles:

GARRINCHA, A ALEGRIA DO POVO

Ricardo Meirelles

Era uma decisão
O Estádio estava super lotado
Os times entram em campo
O juiz apita o início do jogo
Nosso time precisava da vitória
Para ser campeão
Zero a Zero terminou o 1º Tempo
Aos 37 minutos do 2º Tempo
Driblei com a direita
Entrei na área
Cortei dois zagueiros
Passei de passagem pelo terceiro
Dei um corte e driblei o Goleiro
Chutei… a bola balançou a rede
Como um beijo suave dado na mulher amada
A torcida levantou
Vibrou! Cantou! Comemorou!
Um a Zero apareceu no Placar
Inesperadamente. Inexplicavelmente…
O Juiz anulou o Gol, o Golaço, o Gol de placa…
Sem nenhuma razão, sem nenhuma alegação
O um a zero sumiu como mágica do placar
Ninguém entendeu, nem o adversário
Que já resignado caminhava para o meio do campo
A torcida vaiou! Chorou! Desesperou!
O restante do tempo final acelerou, voou
Soou o apito encerrando a partida
Mistura de emoções na multidão
Alegria! Euforia! Comemoração! Vibração!
Tristeza! Perplexidade! Choro! Raiva!
Meu Golaço sem mais nem porque foi para o espaço!
E a minha vida?.. Virou um Bagaço.

cigarrasmacae@gmail.com