XI Feira de Responsabilidade Social já tem data marcada

425
O evento é gratuito e aberto a todos os interessados em participar

O evento será realizado entre os dias 19 e 21 de junho na Cidade Universitária

O mês de junho está recheado de eventos. Entre eles, a tradicional Feira de Responsabilidade Social Empresarial da Bacia de Campos que vai chegar á sua XI edição. O evento que este ano terá como tema “Sustentabilidade no Mundo em Transição” vai acontecer entre os dias 19 e 21 de junho, das 14 às 21h, na Cidade Universitária.

De acordo com informações, no primeiro dia do evento, terça-feira (19), haverá um Painel reunindo representantes empresariais e das universidades para discutirem meios de viabilizar uma contribuição mútua capaz de alavancar a inovação e o desenvolvimento regional, com o Projeto Repensando Macaé. Trata-se de uma iniciativa pioneira que conta com o apoio da Firjan e da Rede Petro Bacia de Campos, que também terá um espaço no Fórum do evento, para debater a sustentabilidade das pequenas e médias empresas.

Já na quarta-feira (20), a partir das 19 horas, acontecerá um Sarau de Poesias com autores de Macaé e região, e no último dia (21), quinta-feira, a XI Feira de RSE será encerrada com uma grande festa junina da Cidade Universitária, com a confraternização dos participantes, alunos e professores. Ainda estão previstos o Bazar de Dona Maria Klonowsk, a Feira da Gratidão, a Feira da Região Serrana, exposição de artes plásticas, etc.
Ainda de acordo com informações, entre as questões relevantes que serão debatidas na XI Feira de RSE Bacia de Campos, estão: inclusão social, uma nova agenda para o desenvolvimento, recursos hídricos, energias renováveis, agricultura orgânica, qualidade de vida, coleta seletiva, cidades inteligentes, democracia nas redes, sustentabilidade do meio e música, conhecimento – um ativo para a transição, voluntariado como prática cidadã.

Também no evento, uma pesquisadora do Nupem/UFRJ vai contar como foi a sua experiência na Antártica e, além da já consagrada Mostra Cenário Ambiental estarão presentes professores/pesquisadores e alunos do Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento Socioambiental (Nupem/UFRJ) com a realização de workshops nos três dias do evento.

Ao Jornal O Debate, o idealizador da Feira, Martinho Santafé disse que o tema “Sustentabilidade no Mundo em Transição” propõe abordar os novos desafios propostos pelas tecnologias da Informação e da Comunicação que já estão provocando mudanças profundas – na verdade, uma verdadeira revolução nas relações econômicas e sociais, tendo como pano de fundo a preocupação global com as mudanças climáticas. “Para se ter uma ideia das consequências da chamada Quarta Revolução Industrial, especialistas de várias correntes do pensamento, entre eles, sociólogos, profissionais de relações humanas, cientistas sociais etc., já admitem que as profissões mais promissoras da próxima década ainda nem foram criadas, uma constatação que balança as estruturas da educação, das relações de trabalho e de vários outros segmentos da sociedade organizada. A pergunta que vamos fazer na XI Feira de RSE Bacia de Campos é, basicamente, esta: estamos nos preparando para essa nova realidade?”, explicou.

Martinho contou ainda que a XI Feira de RSE, naturalmente, também abordará outros temas da atualidade, como controle social e democracia nas redes, inclusão em áreas vulneráveis, uma nova agenda para o país, “Inovação e meio ambiente: Repensando Macaé” – projeto desenvolvido pela Comissão Municipal da Firjan que será apresentado no evento aos representantes das universidades, com vistas a uma futura parceria, entre outras questões relevante, resíduos sólidos: coleta seletiva e reciclagem, novas plataformas de ensino, e recursos hídricos, com especial atenção ao Rio Macaé, pois, segundo pesquisadores que vêm há anos acompanhando a sua degradação, poderá entrar em colapso de abastecimento até 2022 .

Sobre as expectativas, ele disse: “Como o evento já está bem consolidado em Macaé e região, as expectativas são as melhores possíveis, à medida que os atores envolvidos estão completamente engajados para o seu sucesso, contando com a participação de um público bastante diversificado – empresários, estudantes, professores, lideranças comunitárias, gestores públicos, inovadores sociais, entre outros”, concluiu.