Rodoviários cruzam os braços e cobram reajuste salarial de 16%

0
2754
Passageiros que utilizam transporte urbano pode solicitar a segunda via por perda, extravio e danificação - Arquivo/ Wanderley Gil 

Sindicato e categoria confirmam a paralisação parcial de 24 horas, que vai afetar cerca de 134 mil usuários.

 

Em assembleia realizada na última quinta-feira (20), no auditório do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Cargas e Passageiros de Macaé, motoristas e cobradores de ônibus da empresa Sistema Integrado de Transporte (SIT), decidiram cruzar os braços a partir de zero hora desta terça-feira (25).

A proposta de reajuste salarial de 3% oferecida pela SIT foi rejeitada pelos 40 funcionários da empresa que estavam presentes durante a assembleia. De acordo com o sindicato, a categoria planeja paralisar os serviços e fazer um movimento nas primeiras horas da manhã, em frente a garagem da empresa de transporte impedindo que a frota circule pelas ruas do município.

O principal motivo da paralisação dos rodoviários é que a categoria não recebe o reajuste há dois anos, e os funcionários pedem 16% de aumento. “Desde o início do ano, tentamos aproximação com a administração municipal, Mobilidade Urbana e a empresa SIT, porém não tivemos nenhuma resposta por meio de ofício. Estamos sofrendo pressão da categoria. Como não tivemos negociação pelos órgãos competentes, as funcionários vão cruzar os braços, a partir de meia-noite do dia 25″, declarou o presidente do sindicato, Aluízio Viana.

Os representantes da empresa SIT não se pronunciam desde a última sexta-feira (21) quando a categoria já ameaçava a greve, porém já estão se articulando para definir as ações a serem tomadas. O jornal O DEBATE tem procurado algum tipo de resposta da empresa, através da assessoria de comunicação por meio de e-mail e telefone, porém sem resposta. Tentamos falar com os representantes para saber quantas linhas irão operar na cidade nesta terça-feira mediante a paralisação, também sem resposta.

O clima é de frustração, pois caso o impasse não seja resolvido, a fatia mais prejudicada é a própria população que necessita do serviço de transporte para atender suas atividades diárias. A greve dos rodoviários poderá causar um verdadeiro caos ao serviço de transporte público de Macaé, utilizado diariamente por quase 134 mil pessoas.