Projeto de hortas promove saúde

0
336
Colheita de hortaliças e plantas medicinais beneficia pacientes

Natureza e saúde caminham juntas no projeto “Que mato é esse”, da Estratégia Saúde da Família (ESF) unidade Campo D´Oeste. Nesta quinta-feira (27), os participantes realizaram a colheita de hortaliças e plantas medicinais. A programação contou ainda com alongamento, palestra e apresentação lúdica. Pacientes de saúde mental, hipertensos e diabéticos são o público-alvo da horta existente no espaço.

Em média, são 60 dias entre o plantio e a colheita de hortaliças e plantas medicinais. Entre elas, rúcula, alface crespa, alface roxa, alface americana, salsa, cebolinha, hortelã, couve, erva cidreira, capim-limão, boldo, hortelã-pimenta, mostarda e erva doce.

“A ideia é ampliar o conceito de saúde, indo além da ausência de doenças, estimulando a qualidade de vida. Nesse aspecto, as orientações são para uma alimentação mais saudável, principalmente, com redução de sal e açúcar. Além disso, incentivamos a terapia ocupacional, pois o plantio e a colheita são feitos pelos próprios pacientes”, frisou a agente comunitária Rosana Feliciano, responsável pelo projeto, desenvolvido há três anos.

A ação também estimula os pacientes a cultivarem suas hortas em casa. “O cuidado diário com a horta faz bem para o ser como um todo. É como se tirássemos as coisas ruins e cultivássemos as coisas boas. Nos casos de hipertensos e diabéticos existe a possibilidade, inclusive, da redução de medicamentos ao se manter uma dieta equilibrada. Tudo que plantamos é disponibilizado para a comunidade”, destacou o agente comunitário, Ronaldo Fernandes, acompanhado do assistente social Jaques Cavalcanti, também responsáveis pelo projeto.

O alongamento foi realizado pela professora Raquel Celidônio, seguido de apresentação lúdica com a instrumentista Luiza Feliciano. A palestra sobre “Nem todo remédio é medicamento, resiliência e qualidade de vida” foi ministrada pela agente comunitária Rosana Feliciano. E para encerrar, a colheita foi entregue a pacientes acamados e restritos em suas residências.

Atualmente, o projeto possui hortas na ESF Campo D’ Oeste e Centro de Recurso Integrado de Atendimento ao Adolescente (Criaad/Macaé), além de promover doações para entidades filantrópicas como Escola Sentrinho e Recanto dos Idosos, localizado no Barreto.