Nova rota do petróleo começa a ser projetada no município

0
965
Reunião da prefeitura atualizou planejamento de projetos que garantem novo futuro para Macaé

Governo promete obras de Santa Tereza em 30 dias. EBTE Engenharia licencia Transportuária

A nova rota do petróleo da cidade, representada pelos projetos do Arco Viário de Santa Tereza e a Transportuária, enfim, começam a sair do papel. Após licitação realizada em 2016, assinatura de contrato e a conclusão do processo de licenciamento junto ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea), as obras de Santa Tereza foram anunciadas pelo governo para dentro dos próximos 30 dias.

Com a emissão da licença de instalação, concedida oficialmente pelo Inea na semana passada, a empresa MJRE Engenharia, que assinou o contrato com a prefeitura para a prestação do serviço orçado em mais de R$ 77 milhões, já poderá iniciar a implantação do canteiro de obras.

A Estrada ligará o trecho da RJ-168 (Estrada da Serra), situado próximo ao Horto, até a Estrada MC-88, situada no Parque dos Tubos. “A licença já permite que as obras sejam iniciadas, com isso, a nossa previsão é que o canteiro esteja montado dentro de 20 ou 30 dias”, disse o prefeito Dr. Aluízio (MDB) durante encontro com empresários locais, realizado no Centro de Convenções Jornalista Roberto Marinho, na última sexta-feira (25).

No mesmo encontro, representantes da EBTE Engenharia, empresa responsável pelo projeto do CLIMA (Complexo Logístico e Industrial de Macaé), anunciaram o início do processo de licenciamento da Transportuária, estrada que ligará o trecho da RJ-106, na altura do São José do Barreto, até o ponto de início de Santa Tereza, na RJ-168.

O processo foi permitido graças ao termo de desapropriação de área, de mais de 6 milhões de metros quadrados, situada dentro das dimensões da Transportuária. As duas estradas cortam e interligam dois empreendimentos projetados pela EBTE Engenharia, que desejam hoje um novo futuro de prosperidade para Macaé.

A Santa Tereza corta o CLIMA, que já possui alvará de construção da prefeitura. Dos 101 lotes que compõem o polo industrial, o primeiro a ser ocupado será a Termelétrica Vale Azul II, que será construída pelo grupo Mitsubishi. A expectativa é que a unidade comece a ser erguida no primeiro trimestre do próximo ano.

Já a Transportuária ligará o principal acesso de Macaé com a BR-101 (RJ-168), à área do Terminal Portuário de Macaé (Tepor).

A estrada contribuirá com o processo de implantação da base logística marinha, que conta também com o projeto de uma Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN).

Se a sinergia dos empreendimentos for mantida, em quatro anos, Macaé terá uma nova configuração na logística do petróleo, que acompanha a recuperação do mercado offshore.
Além disso, os projetos tornam Macaé uma nova referência em polo de processamento de gás natural, hoje um dos gargalos para a consolidação de novas áreas de exploração e de produção de óleo bruto, na Bacia de Campos.