Nova rota do petróleo começa a ser projetada no município

815
Reunião da prefeitura atualizou planejamento de projetos que garantem novo futuro para Macaé

Governo promete obras de Santa Tereza em 30 dias. EBTE Engenharia licencia Transportuária

A nova rota do petróleo da cidade, representada pelos projetos do Arco Viário de Santa Tereza e a Transportuária, enfim, começam a sair do papel. Após licitação realizada em 2016, assinatura de contrato e a conclusão do processo de licenciamento junto ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea), as obras de Santa Tereza foram anunciadas pelo governo para dentro dos próximos 30 dias.

Com a emissão da licença de instalação, concedida oficialmente pelo Inea na semana passada, a empresa MJRE Engenharia, que assinou o contrato com a prefeitura para a prestação do serviço orçado em mais de R$ 77 milhões, já poderá iniciar a implantação do canteiro de obras.

A Estrada ligará o trecho da RJ-168 (Estrada da Serra), situado próximo ao Horto, até a Estrada MC-88, situada no Parque dos Tubos. “A licença já permite que as obras sejam iniciadas, com isso, a nossa previsão é que o canteiro esteja montado dentro de 20 ou 30 dias”, disse o prefeito Dr. Aluízio (MDB) durante encontro com empresários locais, realizado no Centro de Convenções Jornalista Roberto Marinho, na última sexta-feira (25).

No mesmo encontro, representantes da EBTE Engenharia, empresa responsável pelo projeto do CLIMA (Complexo Logístico e Industrial de Macaé), anunciaram o início do processo de licenciamento da Transportuária, estrada que ligará o trecho da RJ-106, na altura do São José do Barreto, até o ponto de início de Santa Tereza, na RJ-168.

O processo foi permitido graças ao termo de desapropriação de área, de mais de 6 milhões de metros quadrados, situada dentro das dimensões da Transportuária. As duas estradas cortam e interligam dois empreendimentos projetados pela EBTE Engenharia, que desejam hoje um novo futuro de prosperidade para Macaé.

A Santa Tereza corta o CLIMA, que já possui alvará de construção da prefeitura. Dos 101 lotes que compõem o polo industrial, o primeiro a ser ocupado será a Termelétrica Vale Azul II, que será construída pelo grupo Mitsubishi. A expectativa é que a unidade comece a ser erguida no primeiro trimestre do próximo ano.

Já a Transportuária ligará o principal acesso de Macaé com a BR-101 (RJ-168), à área do Terminal Portuário de Macaé (Tepor).

A estrada contribuirá com o processo de implantação da base logística marinha, que conta também com o projeto de uma Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN).

Se a sinergia dos empreendimentos for mantida, em quatro anos, Macaé terá uma nova configuração na logística do petróleo, que acompanha a recuperação do mercado offshore.
Além disso, os projetos tornam Macaé uma nova referência em polo de processamento de gás natural, hoje um dos gargalos para a consolidação de novas áreas de exploração e de produção de óleo bruto, na Bacia de Campos.