Dr. Paulo Gabriel Pessanha explica que medida reduz evolução do estágio mais agressivo do Coronavírus

A suplementação de Vitamina D em massa, com o objetivo de reforçar o sistema imunológico e aumentar a resistência da população contra a infecção do Coronavírus, é defendida pelo médico macaense, nutrólogo e intensivista, Dr. Paulo Gabriel Pessanha de Faria. Baseado em estudos apresentados por cientistas internacionais, ele afirma que o tratamento evita a evolução do estágio grave da doença, reduzindo assim as taxas de internação em Centros de Terapia Intensiva (CTI), assim como os índices de mortes.

Em entrevista exclusiva ao O DEBATE, Dr. Paulo Gabriel explica que a suplementação da Vitamina D é indicada a toda população, em virtude da baixa produção do hormônio provocada pela não exposição ao sol, forçada pelo isolamento social no período da pandemia.

Especializado em tratamentos de pacientes com doenças autoimunes, Dr. Paulo Gabriel defende ainda que o acesso gratuíto a suplementação da Vitamina D é uma estratégia que garante um combate direto aos efeitos causados pela pandemia do Coronavírus, gerando principalmente redução de gastos com tratamentos e internações diante dos casos mais severos do COVID 19.

Confira a entrevista:

Quais são os efeitos da “vitamina D” no organismo humano?

A vitamina D, no caso o hormônio D, tem a diversas funções no nosso corpo. As principais estão ligadas ao controle, organização e otimização do sistema imunológico, ajuda na absorção de cálcio, atua dentro de diversos pontos de nossa epigenética, otimização e organizando os erros genéticos que todos nós temos.

De que forma a vitamina D pode contribuir na prevenção dos sintomas e estágio grave de infecção por Coronavírus?

Como a Vitamina D age otimizando o sistema imunológico, o corpo consegue ter força o suficiente para combater o vírus e criar anticorpos suficientes para que o vírus não se desenvolva e não chegue aos estágios graves da doença.

O que indicam os estudos que utilizam a vitamina D como método de prevenção aos sintomas do Coronavírus?

Um estudo americano feito recentemente por Michael Holick (o cientista que definiu que a vitamina D não é apenas uma vitamina e sim um hormônio com inúmeras funções), observou nos pacientes que chegavam na emergência com COVID 19, com nível sérico de vitamina D entre 30 a 40ng/ml. Com esse nível sério, muitos morriam não importando a idade do paciente. Ele observou que pacientes com níveis séricos acima de 60ng/ml nenhum evoluía para o óbito. Então, se tivéssemos uma população com níveis séricos de Vitamina D acima de 60ng/ml poderiam poucos se infectar e ninguém iria a óbito.

Para quais pessoas é indicada a suplementação de vitamina D na prevenção ao Coronavírus?

Todas as pessoas devem suplementar Vitamina D, pois hoje nós precisamos entender o dia a dia da população mundial. Ninguém tem tempo para se expor ao sol, que é a nossa maior fonte de vitamina D, associada ao isolamento social que nos traz hábitos de ficar dentro de casa e com isso se expor menos ainda ao sol. Então, todos deveriam repor para otimizar e organizar o sistema imunológico.

Há uma forma natural de se elevar a produção da vitamina D no corpo humano, com capacidade de prevenção ao coronavírus? Qual a melhor forma de realizar a suplementação?

A maior fonte natural de se absorver e metabolizar a Vitamina D é a exposição solar, sem protetor solar, no horário onde tenha maior radiação UV, que seria de 11h às 14h, sendo que é o sol que pode levar a danos à saúde da nossa pele. Com isso, a melhor maneira de se manter níveis séricos ideais seria a suplementação por via oral ou intramuscular.

De que forma os governos podem utilizar a Vitamina D, em ações em massa, para reduzir o avanço do Coronavírus?

Alguns países como Alemanha e Irã fizeram a reposição na grande maioria da população que seria de grupo de risco . No Brasil, temos duas cidades: Cristal, no Rio Grande do Sul, e Figueirão no Mato Grosso do Sul, fizeram reposição em massa em toda população. São cidades pequenas com pouca estrutura hospitalar que agiram de forma preventiva e colheram frutos, pois o número de infectados foi muito pequeno (em média 3 a 5 casos na população inteira) sem nenhum óbito. Então seria uma saída para que a população tenha seu sistema imunológico otimizado para que consiga enfrentar o vírus. Com isso, levaria a economia aos cofres públicos para gastos com a saúde, evitando internações ou diminuindo bastante o número delas com essa medida.

O senhor já realiza um trabalho de suplementação de Vitamina D em pacientes com doenças autoimunes. Quais são os resultados desse tratamento?

Eu trabalho com o método chamado protocolo Coimbra, criado pelo professor da Unifesp Dr Cícero Galli Coimbra. Conheci esse trabalho omo paciente por ser portador de esclerose múltipla que é uma doença autoimune. O protocolo consiste em doses altas de Vitamina D que são necessárias para organizar o sistema imunológico e fazer com que o sistema imunológico pare de atingir estruturas do nosso próprio corpo, ao invés de levar a imunossupressão que é o que os tratamentos convencionais fazem. Os resultados são positivos em 90 a 95% dos casos porém, depende não só do uso da Vitamina D, mas de outras vitaminas e minerais necessários, associados a mudanças de hábitos de vida que depende de um tripé formado por exercício: físico, alimentação correta e principalmente emocional controlado. E como eu falo pra todo paciente o resultado do tratamento é observar os outros pacientes que já seguem como eu mesmo. Sou prova viva disso.

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.