Atos de vandalismo em escola deixam alunos sem aula

0
1088
Colégio Municipal Wolfango Ferreira, localizada na Barra de Macaé, teve aulas suspensas após ato de vandalismo na madrugada desta segunda-feira (17)

Colégio Municipal Wolfango Ferreira, localizada na Barra de Macaé, teve materiais revirados e paredes pichadas

Mais uma escola foi alvo de vândalos, desta vez foi uma unidade de ensino em Macaé, onde o crime ocorreu na madrugada de segunda-feira (17). O Colégio Municipal Wolfango Ferreira, que funciona na Rua Calixto Fernandes das Neves, teve aulas suspensas no período da manhã, porém funcionários tiveram uma árdua tarefa de limpar e colocar a escola em ordem.

Estudantes e professores que chegaram na rede de ensino se depararam com salas reviradas, paredes sujas de tinta e material didático destruído. O Registro de Ocorrência foi feito logo após a direção da escola constatar a ação criminosa.

De acordo com a Polícia Militar, ainda não se sabe como os vândalos entraram na escola municipal e o que teria motivado a ação. O município repudia os atos criminosos de vandalismo.

A unidade de ensino, que fica a poucos metros do 32° Batalhão de Polícia Militar, possui sistema de videomonitoramento. A polícia garante que as imagens vão ser analisadas pela Polícia Civil de Macaé. A direção da escola informou que nada foi furtado do colégio, mas ações de vandalismo comprometeu um dia letivo e acabou chocando os moradores da localidade.

“As escolas já estão sucateadas e os criminosos ainda fazem esse tipo de ato contra a educação do nosso país, aí fica complicado. É triste”, disse a moradora Marinalva Manhães.

Esta é a segunda unidade escolar que sofre com alvo de vandalismo em menos de uma semana. Em Barra de São João, distrito de Casimiro de Abreu, as aulas também foram suspensas no CIEP Municipalizado Ludevis Teixeira Bastos, depois que vândalos entraram na escola e teve várias salas depredadas.

Móveis e equipamentos foram sujos com tinta. Segundo a prefeitura, dois policiais e uma guarda municipal faziam ronda no local, mas informaram que não viram nenhuma movimentação diferente. A secretaria de Educação instaurou um inquérito administrativo para averiguar os fatos.