Aniversariante da semana

294
Aniversariante da semana, a produtora Carol Carmo ao lado da amiga Ludmilla Figueiredo

QUEM SABE FAZ AO VIVO. Meses atrás peguei um óculos meu antigo, porém de grife e a lente estava descascando (o esmalte devido ao tempo soltou). Andei de ótica em ótica e só ouvia um sonoro “não tem mais jeito”. Logo, em rede social pedi ajuda a um amigo, que me indicou o Fillol Automotivo. Ué, automotivo? Sim! Em um domingo ele me atendeu, pegou a lente (estilo máscara) passou seus produtos e suas polias especiais a fez com que a lente do óculos voltasse ao estado original. Ou seja, hoje em dia quem é bom, trabalha em qualquer produto dentro de sua necessidade e condição. Estamos em um mercado que nada se joga fora, seja por valor emocional ou até mesmo financeiro. Ficou perfeito, indico a todos os serviços do Fillol Automotivo ali no Centro. Tanto para isso quanto para carros que ele tem feito extremo sucesso!

MAU CHEIRO. O centro da cidade anda com um nó no esgoto. Tampas andam vazando em várias esquinas e até em frente a restaurantes. O motivo? Rede de esgoto, esgotada! Antiga que não suporta mais tantos dejetos. Vale lembrar que os restaurantes precisam instalar também trituradores em seus ralos de pia para dissolver material alimentício e diminuir seus lixos orgânicos nas calçadas que andam fedendo a azedo.

PAÍS JÁ ERA. E era de se esperar que um presidiário já estivesse ganhando as pesquisas para presidência. Como pode um condenado (se foi justa ou injustamente não cabe a nós decidir) ainda ter o disparate de vir candidato a Presidência do Brasil? Vai governar da cadeia ou vai fazer como alguns vereadores de cidades do interior? De dia governa e de noite dorme na cadeira? E quem são esses eleitores loucos? Povo, abra o olho.

BANCO DO BRASIL. Desde o assalto ocorrido meses atrás a agência do Centro anda com o péssimo atendimento. Sempre foi das melhores. Agora os cliente precisam ir para o Cavaleiros. Ou seja, isso é castigo para os clientes? Se foi assaltada que alguém tome as dores, não o povo. O povo não é responsável pela segurança dos bancos, nem tão pouco pelos ladrões. Afinal são os bancos que movimentam o país junto ao políticos. Alguém já viu alguma corrupção não envolvendo bancos pelo Brasil?

É PARA ACREDITAR? Este ano, o eleitor brasileiro vai acompanhar uma campanha diferente, pois, pela primeira vez, está proibida a doação de empresas para os candidatos, conforme determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Sem o dinheiro das empresas, a saída encontrada por deputados e senadores foi definir novas regras para o financiamento da propaganda eleitoral. Depois de muita polêmica e poucos dias antes do prazo final para a proibição valer em 2018, Câmara dos Deputados e Senado aprovaram a criação do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, por meio da Lei 13.487/2017, que soma R$ 1,716 bilhão de recursos públicos. Além desse fundo, as legendas apostam em doações de pessoas físicas e vaquinhas virtuais para aumentar o montante de recursos.