Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

UNIÃO DA AMERICA DO SUL

Em 06/06/2008 às 11h55


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Parece em estágio embrionário, porém necessária aglomeração dos países da América do Sul. Como apologista desta integração acho que este cipoal de interesses pode desembocar em resultado extremamente proveitoso para o Brasil.

É um processo e não um procedimento onde os embates internos devem ser administrados com astúcia e desprendimento pelos países envolvidos.

Em todo relacionamento racional de conflitos de interesses predomina a frieza lógica, e não há dádivas. Não são como nos relacionamentos passionais, onde sobrepõe as dádivas à não ser raras exceções em que são extremamente conflituosos o que prevalecem são as concórdias e o desprendimento mutua.

Esse projeto de integração da América do Sul exige uma arquitetura de persuasão levando a manutenção da união a resultados generosos. Cabe ao Brasil ser timoneiro desta logística e acelerar o começo devido sua supremacia econômica e política. É um projeto para o futuro que depende da mecânica presente dos seus protagonistas iniciais. Países geradores de fundamentos democráticos podem levar a concretização de sucesso mutuo. Mas seu funcionamento não será fácil e administrar os conflitos de interesses será uma tarefa hercúlea.

MANTER A PARTE SEM SECTARISMO E CAMINHAR EM DIREÇÃO AO TODO SEM AUTORITARISMO PODERÁ FAZER DA INTEGRAÇÃO ALGO EXTREMAMENTE RECOMPENSADOR PARA OS PAÍSES SIGNATÁRIOS.

Nesta diplomacia racional deverá as nações libertar do egoísmo permissivo sem esperar do outro altruísmo oco. Buscar a integridade e fazer dela um desmembramento positivo capaz de encherem os leitos de resultados promissores dos países envolvidos.

Seu sucesso proveniente de desprendimento com resultado levará à América do Sul unida capaz de instrumentalizar para embates globais com armas geradoras de equilíbrios de forças.

Esta união é algo inicial, porém inacabado. Sua manutenção exigirá mais sacrifício do que sua criação. Mas o resultado final será extremamente promissor. Como tudo que inicia é imperfeito e frágil levando a raciocinar que adicionado a nossa enexperiência esteja condenado ao fracasso. Com a liderança brasileira e expectativa de divisão de êxitos os países signatários poderão fortalecer o bloco com paradigmas vindo da unidade européia.

União no mundo contemporâneo não são apenas fragmentos amorfos unidos, são sim fragmentos coesos fomentado pelas geratrizes resultados substanciais. As distribuições de benefícios vindo do todo fazem os países cederem para contabilizar ainda mais.

Sem duvida a união da América do Sul ainda é um sonho que poderá transformar os países envolvidos em potencias futuramente. Pois sendo assim cabe a nossa geração bater o tiro de meta inicial que a bola chegará ao gol, marcando assim a América do Sul em dois tempos. O primeiro de jogo truncado e disperso o segundo de jogo compactado de resultados significativos.

JUAREZ ALVARENGA

ADVOGADO E ESCRITOR


    Compartilhe:


publicidade