Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Maioria das praias segue imprópria para o banho

Segundo o Inea, apenas Cavaleiros, Campista e Pecado tiveram os índices bons

Em 03/04/2018 às 12h38


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Cavaleiros, uma das mais frequentadas, segue própria para o banho Cavaleiros, uma das mais frequentadas, segue própria para o banho
O verão pode ter acabado, mas as altas temperaturas continuam atraindo os banhistas para as praias da cidade. E para que a diversão não se torne um problema, a recomendação é sempre para que a população esteja atenta às condições da água para saber se o local está ou não próprio para o banho. 

Segundo o último boletim de balneabilidade divulgado pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), o de nº 6 com base nas análises feitas no dia 20 de março de 2018, estão próprias apenas as praias do Pecado, Cavaleiros e Campista. 
Já a Imbetiba segue com restrições. O trecho liberado fica na altura da Rua do Sacramento. Já na Avenida Elias Agostinho, nº 500, o banho deve ser evitado. 

Continuam impróprias as praias: Forte, Barra, Aeroporto, Barreto e Lagomar. Já na Lagoa de Imboassica, desde o início de 2017 os dados não são divulgados. 

Em Rio das Ostras, município vizinho, o banho está liberado nas seguintes praias: Tartarugas (exceto no trecho da Rua Jequitibá), Centro (em frente à Avenida Estado do Amazonas), Cemitério (altura da Rua da Prata), Joana, Areia Negra, Remanso, Costazul e Mar do Norte. O Inea não divulgou a condição da Lagoa de Iriri (Coca-Cola), muito visitada, inclusive por turistas.  

Vale ressaltar que a população deve evitar o banho nos locais que tiveram os índices reprovados, já que o contato com águas contaminadas por esgoto doméstico pode expor os banhistas a bactérias, vírus e protozoários. As pessoas devem evitar também entrar na água em pontos próximos à saída da galeria de águas pluviais ou canais de drenagem. 

A orientação é para que os banhistas também evitem entrar no mar, pelo menos, nas 24 horas após as chuvas. Segundo o órgão, tais mudanças climáticas podem interferir na qualidade da água. 

Em todo o estado, as praias são classificadas em três categorias: intensiva, moderada e baixa, definidas de acordo com a frequência. Como forma de critério são avaliados os seguintes itens: presença de banhistas e o tempo de permanência deles no local ao longo do ano. 

O município de Macaé entra no grupo das "moderadas", ou seja, registrando um movimento médio no decorrer de todo o ano.  

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: cidade, meio ambiente


publicidade