Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Abandono afeta o turismo nos distritos serranos

Apesar das promessas de melhorias, Glicério aguarda pela reforma de passarela

Em 20/02/2018 às 19h40


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Após parte da estrutura cair, passarela na Ilha da Canoa foi interditada sem prazo de revitalização Após parte da estrutura cair, passarela na Ilha da Canoa foi interditada sem prazo de revitalização
Não é de hoje que o jornal O DEBATE vem denunciando o abandono dos distritos serranos em Macaé. Lugares em meio à natureza, que poderiam ter as belezas naturais a seu favor como forma de fomentar o turismo local e aquecer a economia do município, vivem sem expectativa de dias melhores por conta da falta de infraestrutura.

É o caso de Glicério, uma das áreas bastante impactadas com a ausência de investimentos do poder público. Acredite ou não, esse distrito já foi ponto de encontro dos amantes e praticantes de esportes radicais. Se, antes, aventureiros lotavam o distrito, ruínas ficam como lembranças, hoje, da época em que a região era bastante frequentada por moradores e turistas.
Na entrada, a estrutura com a estátua de canoagem é uma das poucas lembranças de quando o esporte era a "marca registrada" da região. E é na Ilha da Canoa que o abandono fica ainda mais visível.

Um dos pontos turísticos é a passarela de madeira que margeia o Rio São Pedro. Hoje, infelizmente, segue interditada desde que parte dela caiu devido à falta de manutenção. Tal situação tem deixado os moradores indignados, que voltam a cobrar maior atenção do poder público.

"No início era apenas um pequeno conserto que precisava, mas o abandono foi se prolongando até chegar a situação que vemos hoje. Nada que a gente não esperava que fosse acontecer, pelo contrário, até demorou para cair essa estrutura. Ao invés de vir e reformar, apenas isolaram o caminho e assim ficou desde o ano passado. Até hoje a prefeitura não deu as caras para resolver a situação da passarela", lamenta um morador, que pede sigilo do nome. "Nossa serra está totalmente abandonada. Isso fez com que os turistas fossem deixando de vir. Aquela serra lotada de pessoas hoje é só uma lembrança do passado", conta.


Segundo dados da prefeitura, o turismo de negócios corresponde a 71% do setor e 10% do PIB do município, que tem o Selo Ouro da EMBRATUR.

No entanto, Macaé tem potencial para se tornar também uma cidade do turismo ecológico. Segundo um estudo apresentado pelo Fórum Econômico Mundial, o Brasil é o país de maior potencial em turismo de natureza no mundo. A Organização Mundial do Turismo enfatiza que a procura pelo ecoturismo é uma tendência em todo o planeta, e que a expansão do segmento está entre 15% e 25% ao ano.

O turismo sustentável também é reconhecido pela ONU, através de uma resolução que visa esse segmento como uma ferramenta para tornar viável, economicamente, a proteção das Unidades de Conservação (UC), ao mesmo tempo em que promove o desenvolvimento local.

Procurada, a secretaria de Infraestrutura, através da Adjunta de Interior, informou que o reparo está no cronograma de ações da pasta. Nesta segunda (19), eles atuaram no DPO de Glicério e na estação de tratamento de água de Córrego do Ouro para, na sequência, iniciarem trabalhos na passarela e no parquinho, o que deve ocorrer até o fim desta semana. 

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Wanderley Gil


    Compartilhe:

Tags: cidade


publicidade