Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Regras do pré-sal e dos campos maduros projetam bilhões para a Bacia de Campos

ANP define editais para leilões e promete agilizar regulamentação que pode injetar US$ 18 bilhões no mercado do petróleo

Em 24/08/2017 às 11h53


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Sobrevida da Bacia de Campos é projetada pelas operações do pré-sal e campos maduros Foto: Sobrevida da Bacia de Campos é projetada pelas operações do pré-sal e campos maduros Foto:
A publicação das regras que irão pautar os contratos de partilha dos blocos de exploração do pré-sal, incluídos no leilão agendado para outubro, assim como a garantia de agilidade da publicação da regulamentação que irá definir as concessões dos chamados 'campos maduros', representam o empenho da Agência Nacional do Petróleo (ANP) em complentar um novo ciclo para o mercado de óleo e gás nacional, que projeta investimentos na ordem dos US$ 18 bilhões para a Bacia de Campos.

Ontem (23), a ANP publicou os editais e os modelos de contratos da 2ª e 3ª Rodadas de Partilha, com áreas no pré-sal, que ocorrerão em 27 de outubro. Os documentos passaram por consulta e audiência públicas para recebimento de contribuições do mercado e da sociedade.

Na 2ª rodada, a Bacia de Campos oferecerá áreas no Campo de Tartaruga Verde, localizado na posição sul, a aproximadamente 125 quilômetros da costa de Macaé. Nessa mesma região, a Petrobras anunciou que iniciará a operação de extração dos primeiros barris de óleo antes do final do ano, através do FPSO Cidade de Campos dos Goytacazes.

Já na 3ª rodada de partilha, está incluída a Área de Alto de Cabo Frio, compreendida entre a Bacia de Campos e a de Santos.
Na avaliação da ANP, a sequência de todos os leilões programados para 2017-2019 indica a projeção de US$ 80 bilhões de investimentos no mercado offshore brasileiro. E grande parte desse dinheiro está focado nas operações da Bacia de Campos.
Além disso, as rodadas projetam ainda a chegada de cerca de 20 sondas de perfuração operando simultaneamente, o que traz para a cadeia produtiva de óleo e gás local a garantia de novos contratos.

Campos maduros em alta

Em matéria publicada pelo jornal Extra, ligado ao grupo O GLOBO, o diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Décio Oddone, informou que as regras para a concessão dos campos maduros também podem ser definidas ainda neste ano.
No foco dessa discussão está a redução de 10% para 5% da incidência dos royalties sobre o 'petróleo novo', extraído a partir da elevação do fator de produção dessas reservas. Esse aumento da sobrevida dos poços situados na Bacia de Campos pode render, segundo a ANP, U$ 11 bilhões em royalties para o Estado do Rio e os municípios produtores do Norte Fluminense.

Prefeito de Macaé promove hoje reunião sobre royalties


Esse é o mesmo cenário projetado por Macaé, através da mobilização 'royalties por emprego', pautada pela projeção de investimentos na ordem de US$ 18 bilhões, segundo a ANP. Para o prefeito de Macaé, Dr. Aluízio (PMDB), os dados só reafirmam a capacidade dos campos maduros em garantir à cidade um recomeço.

"Acreditamos que esse é o caminho que vai garantir a Macaé e aos municípios da região uma nova fase econômica, tanto na questão do petróleo, quanto na geração de emprego", disse o prefeito.

Nesta quinta-feira (24), às 14h, o prefeito receberá, no Centro de Convenções, representantes das instituições que participam da dinâmica do petróleo nacional, para avaliar os avanços nas pautas referentes à restruturação da Bacia de Campos.

Autor: Márcio Siqueira marcio@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: economia


publicidade