Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Promessas feitas não chegam ao Horto

Moradores listam melhorias que precisam ser feitas. Acessibilidade e lazer estão entre as reivindicações

Em 20/02/2017 às 11h49


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte


Possibilidade de crescimento do bairro sem infraestrutura preocupa a população 


Em tempos onde o crescimento da cidade não para, muita gente ainda prefere viver em locais em meio à natureza buscando melhor qualidade de vida. As áreas rurais proporcionam aos seus habitantes algumas vantagens, entre elas, a redução do barulho e tranquilidade.

Na cidade de Macaé, mesmo com o crescimento imobiliário, algumas pessoas ainda têm a oportunidade de viver em meio ao verde, e o melhor, a poucos minutos do Centro. É o caso do Horto, região que ainda é composta por muitos sítios. 

Apesar disso, o bairro vem se expandindo. Atualmente são dois condomínios, cada um com uma média de 500 casas. No local surgiu recentemente um novo loteamento, o que reforça essa questão do aumento populacional e a necessidade de melhorar a infraestrutura. 

Diante disso, essa semana o Bairros em Debate volta ao local, após pouco mais de um ano desde a última visita, para ver o que melhorou e o que continua da mesma maneira.

Conversando com os moradores, é possível notar que algumas situações são ainda motivos para insatisfação. Entre as reclamações constam a ponte em péssimo estado de conservação, buracos na Estrada do Horto, problemas na entrega de correspondência e falta de área de lazer para a população. 

Ponte de madeira 

Quem vem em direção ao bairro pela Estrada do Horto, via Linha Verde, se depara com uma pequena ponte de madeira. Além das condições, ela só permite um veículo por vez, ou seja, é preciso redobrar a atenção para não colidir com quem vem no sentido oposto. 

Moradores relatam acidentes no local 


"Quando ocorre um fluxo mais intenso é preciso ficar aguardando a vez de passar. Seria melhor se fosse feita outra ponte com sentido duplo para resolver logo esse problema", diz a moradora Alessandra Dias.

Há algumas semanas dois veículos caíram no local após perder o controle da direção. "Há anos a gente pede que isso seja refeito. Acidentes continuam acontecendo, mas a prefeitura nada faz. Nem mesmo sinalizar para alertar as pessoas do perigo", diz a moradora lembrando que a imprudência também contribui com isso. "Muita gente trafega acima da velocidade aqui, o que não é recomendado, pois é uma via com curvas. Lembrando também as pessoas que circulam a pé por ali, já que não existe acostamento. É preciso melhorar o acesso, sim, mas os condutores também precisam colaborar", completa.

Já o morador Rodrigo Assumpção sugere que a prefeitura reforce a sinalização. "A colocação de uma placa refletora poderá ajudar a identificar a existência da ponte", frisa.

Em novembro de 2015, a secretaria de Serviços Públicos chegou a alegar que a obra da ponte estaria em fase de licitação. No lugar dela seria construída uma estrutura de concreto. "O tempo passou e nada mudou", lamenta a moradora.

Buracos e ruas sem pavimentação


Recapeada há cerca de quatro anos, a Estrada do Horto já sofre problemas devido à falta de manutenção. Vários trechos estão com o asfalto elevado no canto da pista, sendo que, em outros, crateras obrigam os motoristas a fazer desvios bruscos.
"Quem mora aqui já está até acostumado, mas para um desconhecido acaba sendo perigoso. À noite é ainda pior porque a iluminação no bairro é precária", diz José Pedro. 

Acessibilidade é uma das melhorias que precisam ser feitas

Outro problema que o morador enfrenta no bairro é a falta de pavimentação de algumas vias. Um exemplo disso é a rua onde fica situada a Igreja Metodista. "Quando chove alaga tudo. O acesso fica muito difícil, tanto para quem sai a pé ou de carro. É só lama", conta uma moradora que não se identificou. 

(*sub com foto 5*)

Vazamento de produtos químicos

No local onde fica a ponte, nossa equipe identificou outro problema: vazamento de um produto de coloração azulada. Segundo o morador Rodrigo, isso acontece com frequência. "Volta e meia isso ocorre, principalmente quando chove. Só que o tempo tem estado estável e voltou a ter o derramamento.
Denúncias dizem que vazamento é comum 

Não sabemos a procedência e nem o que é, mas seria importante a prefeitura enviar algum órgão ambiental para verificar a causa e punir o responsável", alerta. 

Bairro não conta com área de lazer

Quando se trata do Horto, têm lazer apenas os moradores dos condomínios, que contam com áreas particulares com piscina, parquinho e quadras. Já quem não tem esse privilégio, o jeito é improvisar. Sem uma praça, crianças e jovens só contam com a rua para brincar nos momentos livres. 


Campo de terra improvisado pelos moradores 


"Nosso bairro tem um campinho improvisado pelos próprios moradores para que a gente tenha onde jogar bola. Fora isso, não temos nenhuma opção a não ser a rua. Por ser uma localidade fora do centro urbano, muitos não vão para outros bairros em busca de lazer. Seria realmente bom ter uma praça com parquinho, quadras e toda infraestrutura que o Horto merece", diz o morador Mário Luiz.

De acordo com informações passadas pela população, existe um terreno da prefeitura que seria destinado para isso. Eles reforçam que um projeto para construção de uma praça já existe, porém nunca saiu do papel. 

O lazer é um item fundamental para a saúde, pois controla os níveis de ansiedade e contribui com outros fatores psicológicos e também físicos. No caso de crianças e jovens, isso é fundamental para o seu desenvolvimento. Apesar dos benefícios, no Brasil, mesmo sendo um direito previsto na Constituição Federal de 1988, esse é um item que não está acessível a todos.

Esse direito também está previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que prevê que todo menor de idade tem direito a ter acesso ao lazer. Segundo o Art. 59, "os municípios, com apoio dos estados e da União, estimularão e facilitarão a destinação de recursos e espaços para programações culturais, esportivas e de lazer voltadas à infância e à juventude". 

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: bairros em debate


publicidade