Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Descaso do poder público resulta em transtornos

Jardim Vitória I e II acumulam problemas como o crescimento de lixões clandestinos e de buracos nas vias

Em 17/10/2016 às 16h31


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Moradores questionam onde os valores pagos todos os anos em impostos são investidos Moradores questionam onde os valores pagos todos os anos em impostos são investidos
Situados na área nobre, os loteamentos Jardim Vitória I e II se tornam um só quando se trata de problemas. Nos últimos anos, o bairro esteve por diversas vezes em evidência por conta dos lixões, que, infelizmente, já se tornaram uma característica. 
Mas, para quem pensa que os problemas param por aí, está enganado. Além dos lixões, o Jardim Vitória também tem visto crescer o número de buracos. É quase que uma missão impossível encontrar uma rua que não tenha, pelo menos, um dano no pavimento. 

Conversando com alguns moradores, desde a última visita da equipe de Bairros em Debates, que aconteceu em junho, os problemas só aumentaram. A situação tem deixado quem vive ali indignado. 

A população contesta o alto valor pago em impostos todos os anos que não são revertidos em benefício da localidade, que é conhecida pelas ruas tranquilas e belas residências. Por trás dessa imagem de bairro modelo se escondem diversos problemas de infraestrutura.

O Jardim Vitória fica localizado em um ponto pouco frequentado, mas a poucos minutos da região central. Apesar de ter sofrido um forte crescimento nos últimos anos, é comum ver grande quantidade de casas ainda sendo erguidas. Os diversos terrenos vazios demonstram que a tendência é que o número de residências aumente ainda mais nos próximos anos. 

"Quem não vive aqui não conhece a realidade do nosso bairro. É um lugar bom de se viver, mas que coleciona problemas. O que revolta é que muitos deles poderiam ser resolvidos de uma maneira simples, mas o poder público não está nem aí para a gente. A prefeitura abandonou o Jardim Vitória", diz Sandro Rodrigues.

Buracos se tornam uma ameaça


Desde que foi fundado, foram poucas vezes que o loteamento recebeu serviço de manutenção nas ruas. A prova disso pode ser vista por qualquer pessoa que passe por ali. O que antes era um pequeno buraco hoje já se tornou uma enorme cratera.

Entre os pontos críticos estão as vias que dão acesso ao bairro. "Isso aí é a nossa entrada. Você já chega desviando de buraco. Quando chove é ainda pior porque não dá para detectar o problema. Na semana passada dois carros furaram o pneu por conta disso", relata Sandro.


A situação é ainda mais crítica no ponto final do ônibus, onde o asfalto já se deteriorou. "Tem outro trecho do bairro que está na mesma situação. Parece que nunca foi pavimentado, mas na verdade é consequência da falta de manutenção", completa o morador. 

Descarte irregular gera diversos problemas

Quem vive no Jardim Vitória diz que não aguenta mais conviver com o problema gerado pelos entulhos e lixo depositados em locais inapropriados. Como o bairro cresce a cada dia, os terrenos baldios têm virado depósitos, causando muitos transtornos para os vizinhos.

Segundo os moradores, essa prática tem acontecido com frequência, gerando diversos tipos de danos para quem vive nas proximidades. 


Com isso, consequentemente, surgiu o problema de zoonoses. Moradores relatam que já apareceram dentro de suas casas ratos, baratas e até cobras.

Há anos o jornal também vinha relatando o problema de um enorme lixão no Jardim Vitória II, próximo à estrada do Tatu. Para evitar que o problema continuasse acontecendo, o acesso ao local foi isolado. Mas quando os moradores pensaram que essa situação já havia sido sanada, o problema voltou a acontecer e, para desespero deles, só tem se agravado.
A grande quantidade de lixo, principalmente restos de comida, e de entulhos é grande e quem vive ali teme que isso só piore.

"Tem a lei que proíbe, mas de que vale isso se ela não funciona na prática? Não temos um órgão de postura na cidade. Não existe fiscalização e punição. É um total desrespeito com a população do bairro porque quem faz isso é, na maioria das vezes, gente de fora. Para mim é ainda pior porque moro a poucos metros do lixão. Um crime ambiental e de saúde pública que acontece livremente por conta do descaso das autoridades públicas", diz uma moradora que pede para não ser identificada.

Loteamentos não contam com áreas de lazer

Quando se trata de lazer, que é um direito de cada cidadão, o Jardim Vitória I e II deixam muito a desejar. A população ressalta a inexistência de praças. Enquanto isso, crianças e jovens brincam pelas ruas, situação que pode ser perigosa, dependendo do lugar.

"Um bairro com tantas crianças que ficam presas dentro de casa porque não têm um local para brincar. Enquanto em muitos lugares os pais levam seus filhos para se socializar nas horas de lazer, aqui no Jardim Vitória isso não existe. Seria muito importante ter uma praça com quadra esportiva e um parquinho", diz Sandro. 

Há um ano, a prefeitura disse que ainda estava fazendo um levantamento das demandas em toda a cidade. Quando o estudo fosse finalizado e os processos licitatórios concluídos, as obras começariam a ser feitas, beneficiando diversas áreas do município, inclusive o Jardim Vitória. Passou o tempo e a promessa não foi cumprida. 

Com crescimento, rede de esgoto ficou insuficiente 


Um dos problemas que não fica visível para quem passa no bairro é o esgoto. A rede construída na época é pequena e insuficiente para atender à demanda, já que o crescimento foi significativo nos últimos anos. Como a tendência é que isso aumente, os moradores temem que a situação só piore.

Essa semana, por meio de denúncias, a nossa equipe de reportagem flagrou uma manilha despejando esgoto in natura em um córrego que desemboca no Canal do Capote, na Linha Verde. Chama atenção pelo problema acontecer a poucos metros da Estação de Tratamento Central. 

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: bairro em debate


publicidade