Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Nova Holanda: População aguarda conclusão de obras

Intervenções na Nova Holanda começaram há sete anos, mas até hoje as melhorias não chegaram

Em 03/10/2016 às 12h35


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Obras de infraestrutura iniciaram há sete anos e até hoje está longe de serem concluídas Obras de infraestrutura iniciaram há sete anos e até hoje está longe de serem concluídas
"Não é a intenção que valida um ato, mas sim o seu resultado". Quem vê a Nova Holanda da propaganda na TV provavelmente não conhece, de fato, a realidade das famílias que vivem ali. Quando começaram em maio de 2009, as obras de infraestrutura deram aos moradores a esperança de dias melhores. O problema é que sete anos depois elas ainda não foram concluídas e vários problemas foram apontados pelos moradores desde então.

Quem tem acompanhado o andamento de tudo desde o começo é o presidente da Associação de Moradores, Vando Emanuel. "Infelizmente o abandono continua. O que fizeram nas últimas semanas foi uma maquiagem aqui por conta das eleições. Eles vieram e realizaram uma operação tapa-buraco. Só que todo mundo sabe que vão ter que abrir tudo depois. Em algumas ruas os paralelos foram colocados em alguns trechos só e, enquanto isso, os materiais estão empilhados. O buraco com esgoto a céu aberto bem na entrada foi parcialmente fechado para enganar a população", denuncia ele. 

Segundo Vando, a população já não tem certeza se a infraestrutura de fato irá chegar. "A antiga gestão realizou 70% das obras em três anos, restando apenas 30% para serem concluídas. Só que o atual governo não conseguiu terminar e nem atender as prioridades que são os piscinões para escoar a água da chuva e as elevatórias de esgoto nos últimos quatro anos", conta ele, ressaltando que há várias irregularidades. "A própria empresa responsável abandonou a obra há uns três meses devido a falta de pagamento. Agora ninguém sabe o que vai acontecer", alerta.

Depois de nove meses desde a última visita, essa semana, o Bairros em Debate voltou à comunidade, onde conversou com vários moradores mais uma vez. "O que fazem aqui dentro é uma falta de respeito com a população. É um descaso com o morador", lamenta Vando.

Travessas constam como urbanizadas

Problemas contradizem propaganda feita pela prefeitura


Em vários trechos da Nova Holanda é possível ver falhas no pavimento. O problema atinge, inclusive, áreas que já foram urbanizadas. É o caso da esquina entre as ruas 10 e Aurélio Cristiano Silva, onde a água pluvial não consegue escoar. 

"Quem disse que a gente não tem um piscinão? Essa grande poça está aqui há semanas. Olha que isso está assim com o tempo bom, imagina quando começarem as fortes chuvas. O bairro vai ficar debaixo d'água. Só esse pouco já está gerando transtornos, pois atrapalha a acessibilidade das pessoas, principalmente dos estudantes do CIEP. O comerciante em frente está sendo prejudicado. A situação está feia, tem carro agarrando direto", conta Vando.


Já na Travessa situada no final da Rua 4, apesar de nunca ter recebido algum tipo de melhoria, a prefeitura diz que ela já foi totalmente urbanizada. "De fato a obra aqui já era para ter sido concluída, mas, como podem ver com os próprios olhos, isso não aconteceu. Os moradores precisam pisar na lama, que se mistura com o esgoto e o lixo. Quando chove alaga tudo e invade as casas. É uma situação de insalubridade. É desumano. A população aqui vive sem dignidade", lamenta o presidente.

Saneamento precário 

O esgoto ainda é um grande problema na Nova Holanda. Além de ser despejado sem tratamento no rio, boa parte acaba retornando para as ruas e dentro das residências. 

Sem elevatórias, dejeto é destinado para o Canal Macaé-Campos


"Logo na entrada do bairro você já se depara com a bomba sugando o esgoto e jogando no canal. Isso acontece porque não fizeram o principal na obra, que é a construção das elevatórias. Quando chove o dejeto retorna para a casa das pessoas porque não tem para onde ir", explica Vando.

Segundo o Instituto Trata Brasil, compreende-se como saneamento "o conjunto de medidas que visa preservar ou modificar as condições do meio ambiente com a finalidade de prevenir doenças e promover a saúde, melhorar a qualidade de vida da população e a produtividade do indivíduo e facilitar a atividade econômica". 

O saneamento básico "é um direito assegurado pela Constituição e definido pela Lei nº 11.445/2007 como o conjunto dos serviços, infraestrutura e Instalações operacionais de abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza urbana, drenagem urbana, manejos de resíduos sólidos e de águas pluviais". 

Comunidade não conta com áreas de lazer

Considerada uma área de vulnerabilidade social, crianças e jovens ficam pelas ruas, tudo isso porque não existem áreas de lazer no local. A única existente é uma praça situada na entrada da Nova Holanda, que há anos não vê uma reforma. 
"Não tem lazer na Nova Holanda. Eu tenho filhos e eles ficam dentro de casa porque não tem um espaço adequado para levá-los. A nossa praça está abandonada, sem condições de uso", diz o morador Sílvio Soares.


Moradores protestam contra as péssimas condições da única praça da comunidade 


O presidente do bairro relata que nem mesmo a manutenção é feita no bairro. "Não é de hoje que a gente vem alertando sobre as condições dela. A prova disso é que na última ventania que teve o alambrado tombou. Ele está escorado, podendo cair a qualquer momento. O pior será se acertar um morador", alerta.

Enquanto isso, a opção mais próxima fica na Praça Beira Rio, na Barra de Macaé, mas ela não suporta toda a demanda da região e também já apresenta problemas. 


"A nossa praça é uma vergonha. Aqui não é o caso nem de reformar, mas sim de fazer uma nova. O pior é que existe um projeto de revitalização,  já aprovado pela Câmara, que nunca saiu do papel. Os investimentos seriam para a reforma da quadra, que receberia cobertura, construção de um parquinho, uma pista de skate e uma academia popular. A verba parece que tinha sido liberada, mas a prefeitura foi lá e vetou. Isso frustrou os moradores, porque a notícia alegrou a comunidade na época", diz o presidente do bairro. 

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: bairros em debate


publicidade