Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Falta de vacina marca o encerramento de campanha contra a gripe

De acordo com a população, a ação está interrompida por conta do não reabastecimento de estoque em Macaé

Em 20/05/2016 às 11h48


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte



A Casa da Vacina disponibilizou um cartaz informando que a vacina está em falta 

Em todo estado, a Campanha de Vacinação contra a gripe H1N1 será encerrada nesta sexta-feira (20). Em Macaé, desde que começou, a ação vem sendo alvo de reclamação por parte da população, sendo que, na última semana de campanha, a situação não foi diferente. Os munícipes que procuraram a Casa da Vacina nos últimos dias foram surpreendidos com um cartaz em frente da instituição que dizia "H1N1 em falta e sem previsão". 

Na recepção da unidade, a informação era de que a dose havia sido interrompida na quarta-feira (18), o que foi confirmado por relatos de populares. 

Vale destacar que essa não foi a primeira vez que a campanha foi interrompida na cidade. Desde que começou, em 25 de abril, a mesma já foi suspensa pelo menos três vezes, o que preocupa muito os moradores. 

"Estive aqui na quarta-feira de manhã e já não tinha mais vacina. Voltei hoje e a informação é a mesma, e o pior é que não há previsão para chegar, se é que vai chegar, pois a campanha termina nessa sexta-feira (20). Com isso, a única certeza que a gente tem é que precisamos ser imunizados, mas se isso vai acontecer não sabemos ", disse uma mulher que preferiu não se identificar. 

Outra moradora, que também prefere não se identificar, conta que não foi a primeira vez que esteve no local em busca da vacina. "Já estive aqui outro dia e não tinha a vacina. A campanha estava suspensa porque as doses haviam acabado. Nas unidades de saúde, a mesma coisa. Hoje (ontem) retornei aqui e a situação continua a mesma. A gente fica sem palavras para tanto descaso. Muita gente ainda precisa ser imunizada e não sabe se isso vai acontecer", relatou. 

A campanha teve inicio em 25 de abril. O público-alvo são crianças entre seis meses até quatro anos, 11 meses e 29 dias, gestantes e doentes renais crônicos (com comprovante médico), pessoas com 60 anos ou mais, mulheres com 45 dias após o parto (puérperas), profissionais de saúde e demais doentes crônicos. 

A vacina protege a população contra os três subtipos de vírus da gripe que mais circulam no inverno: A/H1N1, A/H3N2 e Influenza B. No inicio, as doses estavam sendo disponibilizadas nos 19 postos de saúde do município, mas desde que foi suspensa pela primeira vez passou a ser oferecida apenas na Casa da Vacina. "Até entendo a gente não conseguir ser vacinado nos postos, mas daí fazer a gente se deslocar para o centro da cidade em vão é chato demais", disse uma outra moradora.

De acordo com a última informação recebida da Prefeitura, até a tarde de segunda-feira o município já havia imunizado 98% do grupo prioritário, ou seja, cerca de 42 mil pessoas. 

Porém, no inicio da campanha, a expectativa do órgão municipal era de imunizar, pelo menos, 80% do público-alvo, o que equivale a 50 mil pessoas, até o dia 20 de maio (hoje), quando termina a campanha. Um dado que chama a atenção é: se a meta era imunizar 80% do público-alvo (o equivalente a 50 mil pessoas), como que 98% desse público já imunizado somam apenas 42 mil? 

Procurada pela redação do Jornal ontem, até o fechamento da edição, o órgão não havia se pronunciado sobre a previsão ou não da chegada de novas doses da vacina e também não havia informado o percentual de pessoas imunizadas.   

Autor: Juliane Reis Juliane@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: geral, h1n1


publicidade