Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Brasil Offshore vai deixar legado técnico em Macaé

Programações relativas à conferência e ao espaço do conhecimento criam sintonia com desafios enfrentados hoje pela indústria offshore

Em 11/05/2015 às 11h30


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Oitava edição da Brasil Offshore será marcada por debate técnico através de conferência Oitava edição da Brasil Offshore será marcada por debate técnico através de conferência
O sucesso da oitava edição da Brasil Offshore está além do número de empresas participantes e do volume de negócios que serão gerados durante os quatro dias de realização do evento. O legado técnico, com o surgimento de propostas inovadoras para o setor de petróleo e gás do país, passa a ser a principal marca capaz até de elevar o reconhecimento da feira dentro do cenário internacional do segmento offshore.

A influência da terceira maior feira do petróleo no mundo, nas atividades relativas ao setor de óleo e gás no país, não se mede apenas em relação ao nível de participações de empresas e de visitantes, contabilizados ao longo das últimas sete edições da feira. As informações, análises e discussões registradas durante a conferência da Brasil Offshore tornam-se, neste ano, a maior riqueza do evento que já possui o diferencial de ser realizado dentro do campo onshore das operações do petróleo da 15ª nação petrolífera do mundo, em nível de reservas de óleo bruto disponíveis para exploração.

Eleborada pelo núcleo brasileiro da Sociedade de Engenheiros do Petróleo (SPE) e pelo Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), a conferência abordará neste ano técnicas relativas à revitalização dos campos maduros, área que faz parte da carteira de pesquisas desenvolvidas atualmente pela Petrobras.

Tema capaz de alavancar também a criação do Parque Científico e Tecnológico de Macaé - o Techno Park -, a revitalização dos poços maduros está diretamente atrelada às condições de produção de óleo bruto na Bacia de Campos, principalmente na região sob a responsabilidade da gerência da Unidade de Operações da Petrobras instalada na Imbetiba.

"A parte técnica é o principal foco da Brasil Offshore, especialmente porque o evento acontece dentro da área de operações do petróleo brasileiro", apontou o gerente de eventos da Reed Exhibitions, Daniel Pereira.

Responsável por mais de 80% dos 2,5 milhões de barris de petróleo produzidos diariamente pela Petrobras, a Bacia de Campos garantiu ao país, ao longo dos últimos 40 anos, a oferta de óleo que mantém em equilíbrio o mercado internacional.

No entanto, a redução da capacidade de produção dos poços passou a ser encarado, nos últimos anos, como um dos fatores de redução das operações do petróleo na Bacia de Campos, previstas para serem substituídas pelas reservas do pré-sal, dentro da antiga meta da Petrobras em dobrar a produção de barris até 2020, marca adiada em função das crises enfrentadas atualmente pela companhia.

Hoje, a discussão proposta pela Brasil Offshore pesa também na definição de novos investimentos e negócios estimados durante a realização da feira. E a previsão é que cerca de R$ 1 bilhão sejam movimentados em Macaé entre os dias 23 e 26 do próximo mês.


Autor: Márcio Siqueira marcio@odebateon.com.br

Foto: Wanderley Gil


    Compartilhe:


publicidade