Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Chuvas voltam a gerar transtornos na Nova Esperança

Localidades que deveriam ter sido contempladas com as obras de infraestrutura do PAC2 são as mais críticas

Em 06/12/2017 às 16h29


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Moradores relatam que lama tem prejudicado inclusive o acesso dos ônibus na via principal     Moradores relatam que lama tem prejudicado inclusive o acesso dos ônibus na via principal
Em plena Capital do Petróleo, o progresso não chegou até hoje para milhares de famílias macaenses. Muita lama, alagamentos, esgoto transbordando e casas inundadas. Essas são apenas algumas das situações que os moradores da Nova Esperança convivem, enquanto as tão sonhadas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) - que já deveriam ter sido concluídas, não chegam a uma parte da comunidade.

Passa o tempo e a história sempre se repete. Se em dias de sol e calor a população da Nova Esperança sofre com a falta de infraestrutura, quando chove a situação fica ainda mais crítica. Se onde a urbanização foi feita a situação é ruim, nas localidades não contempladas é ainda mais crítica. Bastam apenas algumas horas de chuva para que as ruas da comunidade se transformem em rios. 

O mau tempo que tem atingido o município nos últimos dias deixou parte da comunidade mais uma vez em situação caótica. Sem saber mais a quem recorrer, alguns moradores procuraram o jornal O DEBATE para relatar os transtornos que estão enfrentando.

"Estamos vivendo em estado de calamidade. Pararam as obras e nunca mais retomaram. Elas já deveriam ter sido todas concluídas há anos e até hoje nada. Se não puder fazer as obras agora, que façam pelo menos as melhorias para amenizar o nosso sofrimento", solicita um morador, que pede para não ser identificado.

Ele relata que a situação é tão crítica que chega a prejudicar a acessibilidade da população de toda a comunidade. "Na principal a lama é tanta que vai chegar a um ponto que os ônibus não vão conseguir passar mais. Aí que a população vai estar ainda mais prejudicada. Na última semana a comunidade alagou toda e a água ainda não escoou por completo. O pior disso tudo é que as pessoas continuam perdendo seus pertences que compraram com tanto suor. São desumanas as condições que vivemos aqui dentro", diz.

Como a previsão é de mais chuva para os próximos dias, os moradores dizem estar apreensivos. "Ainda tem pontos com água e lama. Se voltar a ter esses temporais, como vem acontecendo nas últimas duas semanas, a nossa comunidade vai ficar debaixo d'água. Aí ninguém entra e sai mais de casa. O poder público só aparece em época de eleição. Depois esquecem que a gente existe. Estamos cansados de promessas", diz uma outra moradora. 

Os moradores dizem que não é só a água e a lama que geram transtornos. Sem saneamento, o esgoto também expõe a população a doenças. "Como não temos rede, quando chove as fossas transbordam e misturam a água, expondo a gente a doenças. Enquanto não fizerem as obras a gente vai continuar sofrendo com a falta de infraestrutura", lamenta ela.

A nossa equipe entrou em contato com a prefeitura, que informou que a demanda apresentada pelos moradores foi passada para a secretaria de Serviços Públicos. Ela explicou ainda que a secretaria de Obras está ajustando o convênio com a Caixa Econômica Federal para a nova licitação e retomada das obras do PAC2 na comunidade. 

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Divulgação/ Eu leitor, o repórter


    Compartilhe:

Tags: cidade


publicidade