Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Município deve arrecadar R$ 9 bilhões em quatro anos

Estimativa do governo é que orçamento de 2018 seja R$ 137 milhões maior que de 2017

Em 10/10/2017 às 18h06


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Depois de dois anos pautados por visões pessimistas e dados que apontavam recessão, Macaé passa a vislumbrar um novo caminho de prosperidade, que beneficiará diretamente os cofres do governo.

E esse novo cenário é consolidado a partir da expectativa da cidade acumular, nos próximos quatro anos, mais de R$ 9,1 bilhões em receitas públicas, através da arrecadação própria, dos repasses do petróleo e de contribuições governamentais.
Essa estimativa é confirmada pelo governo, através da proposta do Plano Plurianual, que será enviada para a Câmara de Vereadores.

O novo horizonte positivo de Macaé já começa a ser trilhado em 2018, quando a prefeitura estima arrecadar um total de R$ 2.041 bilhões. Com isso, as receitas da cidade devem aumentar em mais de R$ 137,4 milhões entre 2017 e o próximo ano, um saldo bastante positivo após três anos de queda.

De acordo com o Plano Plurianual, em dois anos, a arrecadação do município deve aumentar cerca de R$ 308 milhões. Em 2019, a arrecadação total da cidade deve superar a casa dos R$ 2,2 bilhões.
Até 2021, o primeiro ano de gestão do governo que vai suceder a equipe "da mudança", Macaé vai recuperar cerca de R$ 678 milhões em receitas, através de uma nova dinâmica econômica que já é vista na cidade.

E um dos combustíveis para a recuperação do potencial de arrecadação da cidade é a retomada das operações de exploração e de produção na Bacia de Campos. Com as rodadas de licitação e partilha realizadas neste ano pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), até 2020, a cidade contará com o aumento da demanda de serviços de suporte offshore, o que sustenta a cadeia produtiva do petróleo local.

Além de projetar também mais repasses de royalties e de Participação Especial (PE), essa nova dinâmica do petróleo renderá para a cidade o aumento da arrecadação do Imposto Sobre Serviços (ISS)  e do Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), oriundas de todas as operações que atendem a dinâmica realizada nas atividades em águas profundas e ultraprofundas (pré-sal).

Autor: Márcio Siqueira marcio@odebateon.com.br


    Compartilhe:

Tags: política


publicidade