Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Lagomar: Moradores convocam o poder público em busca de respostas

Reunião agendada para a quarta-feira visa reforçar o pedido de ampliação das equipes da ESF no bairro

Em 10/10/2017 às 12h16


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Região não contemplada sofre dificuldades para ter atendimento na rede pública de Saúde Região não contemplada sofre dificuldades para ter atendimento na rede pública de Saúde
Um direito que deveria ser para todos, mas que nem sempre é assim na prática. Quando se trata da saúde no Lagomar, bairro com mais de 35 mil habitantes, a situação é bastante crítica. Se onde o atendimento é oferecido à população enfrenta problemas, nas localidades que não contam com a cobertura da rede pública é ainda pior. 

Cansados de viver de promessas, moradores pretendem se reunir nesta quarta-feira (11), para cobrar solução do poder público em relação à ampliação da Equipe da Estratégia da Saúde da Família (ESF). 

"Realizamos várias reuniões com a coordenação no ano passado, onde solicitávamos a ampliação das equipes para atenderam as áreas descobertas no bairro. Para darmos continuidade ao processo de humanização da saúde e buscar solucionar a ausência de equipes de ESF, entramos em contato com a nova coordenação, onde voltamos a relatar o problema. O coordenador, já ciente da situação, nos garantiu que em breve estaria solucionando o nosso caso. Só que já se passaram mais de cinco meses e nada foi feito. A prefeitura vem sempre com o mesmo discurso burocrático, não levando em consideração a vida das pessoas. A desculpa é sempre que o município não tem recursos para a novas contratações. Enquanto isso, a população agoniza por falta de atendimento", diz André Carvalho, secretário da Associação de Moradores do Lagomar. 

Segundo ele, a área ainda não atendida pela ESF tem inicio na Avenida Dr. Pery Gonçalves dos Santos (antiga W-24) até Avenida Nossa Senhora da Aparecida (antiga MPM). 

"A gente estima que nessa área devem residir, mais ou menos, cerca de 15 mil pessoas. Cada equipe atende até 4 mil pessoas, ou seja, o ideal seria, urgentemente, solucionar o problema da falta destes profissionais nessa localidade. O que a gente percebe é que existe uma situação de discriminação, ou falta de comprometimento com estas pessoas. Nessa parte residem pessoas acamadas, hipertensas, diabéticas, deficientes, gestantes, entre outras. Quem precisa de atendimento não consegue. Eu mesmo já passei por isso. Já enviamos um ofício para a Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores e denunciamos o caso ao Ministério Público e até agora nada mudou", alerta André.

Outra reivindicação é sobre a construção da nova unidade na Avenida Dr. Sérgio Vieira de Mello (antiga W-5) esquina com a Avenida Hebe Camargo (antiga W-26). "As obras vêm se arrastando há anos, sem data para conclusão", enfatiza. 

A reunião, que será aberta a todos os moradores e o poder público será às 19h, na Escola Municipal Paulo Freire, situada na Avenida Dr. Sérgio Vieira de Mello. "Aproveito para convidar os responsáveis da secretaria de Saúde para comparecer. Queremos encontrar uma solução para esse problema no nosso bairro e saber se existe alguma previsão da inauguração da unidade", finaliza André.

A nossa equipe entrou em contato com a prefeitura, no entanto, até o encerramento desta edição não houve resposta sobre o assunto. 

Autor: Marianna Fontes marifontes@odebateon.com.br

Foto: Kaná Manhães


    Compartilhe:

Tags: cidade


publicidade