Cadastre-se e receba nossas novidades:

Notícias

Contrato entre governo e a Odebrecht provoca novo embate sobre saneamento

Denúncias da Lava Jato e poluição da Lagoa ilustram discursos em plenário

Em 18/05/2017 às 11h41


Versão para impressão
Enviar por e-mail
RSS
Diminui o tamanho da fonte Aumenta o tamanho da fonte

Vereadores discutiram necessidade de expansão de redes Vereadores discutiram necessidade de expansão de redes
A cobrança para que o governo promova a divulgação de informações relativas ao andamento das obras de saneamento na cidade, voltou a gerar embates entre parlamentares que evidenciaram um dos principais assuntos em voga no território nacional: o andamento da Operação Lava Jato.

Da necessidade de orientação à população sobre a conclusão de ramais de captação de esgoto, que já estão ligados nas Estações de Tratamento em operação na cidade, os parlamentares chegaram também a necessidade de revisão da segurança jurídica sobre a manutenção do contrato, celebrado pelo governo em 2012, mas que entrou em vigor no primeiro ano do primeiro mandato do governo 'da mudança'.

O debate foi levantado durante a votação do requerimento apresentado pela Comissão Permanente de Meio Ambiente da Câmara, que solicitou ao governo que oriente os proprietários de imóveis situados na parte Sul da cidade sobre a necessidade de ligar a rede residencial de esgoto, ao sistema já operado pela PPP.

"Essa proposta é oriunda da visita que fizemos às Estações de Tratamento da cidade. Para garantir que o esgoto tenha a destinação correta, é preciso que a população ligue os imóveis à rede coletora", disse Maxwell Vaz (SD), presidente da Comissão.

O vereador Marvel Maillet (REDE), que também participou da visita às Estações de Tratamento, sugeriu que o governo pudesse subsidiar a ligação dos imóveis à rede de esgoto, principalmente em bairros do Centro e de comunidades.
"Na área sul o poder aquisitivo das pessoas é mais alto. Mas fico preocupado de como será com os moradores de áreas mais humildes. Hoje, ligar a rede doméstica ao sistema de saneamento pode custar até R$ 1,5 mil. A prefeitura deveria subsidiar isso, já que não consta na PPP", disse Marvel.

Márcio Bittencourt (PMDB), líder do governo na Câmara, apontou que o requerimento é importante para ajudar a reduzir a poluição nas águas da Lagoa de Imboassica.

"Na semana passada ocorreu algo estranho na Lagoa. Uma mortandade de peixes que ninguém consegue explicar. Por isso, eu acredito que o requerimento pode ajudar a acabar com esse tipo de problema", apontou.
Durante o debate, o vereador Luiz Fernando (PT do B) levantou uma questão política.

De acordo com ele, com base no andamento das investigações da Operação Lava Jato, o vereador vai propor ao Ministério Público a quebra do contrato da PPP do esgoto da cidade.

"Será que só eu vejo os indícios que existem por detrás desse contrato? Não adianta mudar de empresa, de CNPJ. Já está mais do que provado que esse contrato não vale para Macaé. As obras começaram na zona sul. E as comunidades? Para mim, isso já não tem mais validade", disse.

Autor: Márcio Siqueira

Foto: Wanderley Gil


    Compartilhe:

Tags: política


publicidade